7.17.2013

Festivais

Acabado de encerrar, com chave de ouro, o Festival Terras sem Sombra, com um extraordinário concerto com obras de Luigi Bocherini, em Sines e com a entrega do prémio "Terras sem sombra" na Comporta, que contou com a presença de SAR a Infanta Pilar de Bourbon e dois Duques de Bragança, começa agora outro marco musical na nossa região, o festival Musicas do Mundo em Sines, com um calendário repleto de ofertas interessantes.
Segue-se o Meo Sudoeste, com outro género de musicas, mas que também tem o sue lugar firmado no panorama musical nacional e regional.
Em suma, a nível musical podemos considerar que o Alentejo Litoral está relativamente bem servido.
Mas, e nas restantes manifestações culturais?
Assiste-se a um quase deserto.
Podemos encontrar algumas actividades dispersas, uma ou outra exposição, mas eventos regionais, transconcelhios de arte, teatro, cinema ou mesmo desporto?
Ou congressos e encontros?
Agradeço que nos informem se estamos enganados, mas não conhecemos.
Acho que esta região já provou que tem públicos que gostam, que enchem, que apreciam manifestações culturais de qualidade, de conhecer coisas novas, novas formas de expressão, de arte....

10 comentários:

Anónimo disse...

Tenho que dar razão ao artigo, realmente há certas câmaras que só olham para a musica pimba e não se dá valor ao resto da cultura. Dão a entender que que gostam que o povo continue ignorante.

Anónimo disse...

Quanto à música, é assim: enquanto uns tocam, os outros dançam...
Quanto à "outra" cultura é assado: uns grupinhos que se juntam em sessões iniciáticas, umas casinhas classificadas, uns museuzinhos rurais e etnográficos, umas festinhas com papeletas coloridas, uns forunzinhos temáticos, uma geminaçãozinha e as eternas feirinhas de vaidades.

Anónimo disse...

Por exemplo 26 Julho em Santo André a estrela em ascensão AUREA. Paga pelos contribuintes do Concelho de Santiago ( para aquecer as autárquicas, não é camaradas!)

Anónimo disse...

Está na hora de voltar a falar nos espaços culturais: em tempos este espaço debitou umas quantas opiniões sobre o cine teatro das Ermidas.
Saberão os especialistas que estamos na presença dum projecto de Cassiano Branco?
Por que razão se vota este edifício ao abandono?
Por ser propriedade particular?
Por desconhecimento dos actores políticos?
Um dos candidatos até é da freguesia e, que se saiba, não hasteia qualquer bandeira que leve à frustração da perda do edifício.
Perde-se um património cuja ruina se deveria obstar urgentemente.
Ainda nas Ermidas, existe um edifício digno de recuperação e transformação em espaço museológico: o lagar que também parece condenado. Uma rede de espaços museológicos ligados às actividades da região poderia bem servir de âncora a iniciativas que, para além de pedagógicas, poderiam fazer voltar à terra as gentes que, nos idos de 50 do século passado, as abandonaram imigrando para diversas zonas do paísonde formaram colónias desenraizadas de gente que, nas gerações seguintes, se descaracterizou e despersonalizou, num claro exemplo de falta de orgulho e de brio, onde as excepções-que as há- foram sempre dignas de referência.
Mas, é claro, as lideranças, têm também sido um dos problemas mais graves deste território que bem gostaríamos de ver soberano.

Anónimo disse...

O que se passa com o cine-teatro vitória de Ermidas-Sado é um dos maiores escandalos do concelho de Santiago em que a câmara andou anos e anos a prometer comprar e arranjar o edificio e nunca cumpriu nada disso. Uma vergonha!

Anónimo disse...

Diferenças....
Aqui bem perto de Ermidas-Sado, no Lousal, a CM está a investir na recuperação do Salão de Festas qualquer coisa como 60,000 €, numa aldeia com meia dúzia de pessoas....

Anónimo disse...

Em tempos de fome e miséria haverá ainda algum espaço para a cultura?

Anónimo disse...

Bem que poderia-deveria- ser divulgada aqui mesmo a lista de edifícios de cada uma das freguesias dos diversos concelhos da região "Alentejo Litoral" susceptíveis de revestirem algum interesse (arquitectónico ou histórico)para que passassem a ser olhados de outra maneira (numa perspectiva de futuro desafogado).

Anónimo disse...

O pessoal da Ermidas ainda não foi "vergado" pela máquina trituradora. Temos que os "vergar"!

Anónimo disse...

Prometeu para Ermidas e também para Alvalade. O mais fácil é prometer. Os Alvaladenses bem que podem esperar pelo dito museu,não há dinheiro,dizem. Mas há dinheiro para concertos e mais concertos. A Camara nem teve a dignidade de substituir a presente exposição por outra, isto significa que quem se deslocar a Alvalade pela feira medieval vai encontrar a mesma exposição de o ano passado. Até me dá nauseas quando se justificam por falta de dinheiro enquanto ao longo do ano enterram milhares e milhares com concertos.