7.17.2013

Festivais

Acabado de encerrar, com chave de ouro, o Festival Terras sem Sombra, com um extraordinário concerto com obras de Luigi Bocherini, em Sines e com a entrega do prémio "Terras sem sombra" na Comporta, que contou com a presença de SAR a Infanta Pilar de Bourbon e dois Duques de Bragança, começa agora outro marco musical na nossa região, o festival Musicas do Mundo em Sines, com um calendário repleto de ofertas interessantes.
Segue-se o Meo Sudoeste, com outro género de musicas, mas que também tem o sue lugar firmado no panorama musical nacional e regional.
Em suma, a nível musical podemos considerar que o Alentejo Litoral está relativamente bem servido.
Mas, e nas restantes manifestações culturais?
Assiste-se a um quase deserto.
Podemos encontrar algumas actividades dispersas, uma ou outra exposição, mas eventos regionais, transconcelhios de arte, teatro, cinema ou mesmo desporto?
Ou congressos e encontros?
Agradeço que nos informem se estamos enganados, mas não conhecemos.
Acho que esta região já provou que tem públicos que gostam, que enchem, que apreciam manifestações culturais de qualidade, de conhecer coisas novas, novas formas de expressão, de arte....

7.11.2013

Em Alcácer do Sal foi descoberto um esqueleto de mulher com mais de 8 mil anos


 
A ossada encontra-se num extraordinário estado de conservação e em posição ritual, abrindo um vasto leque de possibilidades de investigação sobre os comportamentos funerários e forma de vida humana no Mesolítico.

Este foi o achado mais significativo da campanha deste ano do projeto Sado-Meso, dirigido por Pablo Arias, da Universidade da Cantábrica, e Mariana Diniz, da Universidade de Lisboa, que tem como principal objetivo o estudo das últimas comunidades de caçadores-recoletores e dos processos de implantação dos primeiros grupos agro-pastoris, no baixo Vale do Sado (concheiros do Sado).

O grupo ficou célebre no ano passado por ter descoberto aquela que será a mais antiga sepultura de um cão em Portugal.

O esqueleto agora encontrado será submetido a um conjunto de processos de investigação, como a datação por Carbono 14 e as análises de ADN, para que sejam reunidas informações sobre a vida daqueles povoados humanos.

Para já, é possível verificar que se encontra deitado de costas, com as pernas fortemente fletidas para a frente e os braços pousados sobre o peito, o que indicia um rito funerário muito específico.

O sítio arqueológico de Poças de S. Bento foi escavado pela primeira vez no final dos anos 50, por Manuel Heleno, fundador do Instituto Nacional de Arqueologia e, posteriormente, nos anos 80, por uma equipa sueca. O Projeto Sado-Meso fez a sua primeira campanha em 2010.

Até agora já tinham sido encontradas outras 13 ossadas, mas todas em fraco estado de conservação; algumas cerâmicas e sinais de estruturas habitacionais rudimentares.

Elementos fundamentais desta investigação têm sido os depósitos de materiais onde predominam as conchas, de lamejinha e berbigão, bem como vestígios de outros animais que serviam de alimentação, como veado, javali, coelho e boi selvagem.

Uma curiosidade são os vestígios de peixes habitualmente só encontrados em alto mar, como o tubarão ou a corvina, mas, sobretudo, uma prevalência de 83 por cento de sardinha, o que indicia que provavelmente estes povos possuíam embarcações com as quais se deslocavam até ao oceano e pescavam.

O projeto tem várias frentes de trabalho e é desenvolvido por uma equipa multidisciplinar, nomeadamente com a presença de uma antropóloga física (para o estudo e levantamento das ossadas) e de uma equipa de geólogos da Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa, que efetua sondagens no rio Sado, que passa nas proximidades do sítio arqueológico.

A meta é traçar um retrato o mais fiel possível de como era o local e a vivência há oito mil anos, desde a geologia, a fauna e a flora da época, à forma como os homens de então exploravam e viviam nesse ambiente.

Esta investigação acontece no âmbito do programa COASTTRAN, do Instituto Internacional de Investigaciones Prehistóricas de Cantabria, financiado pelo Plan Nacional de I+D+i do Ministerio de Ciencia e Innovación, e do projecto da UNIARQ, “Retorno ao Sado”, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

Os trabalhos de campo contam ainda com a participação do Museu Nacional de Arqueologia. As análises serão realizadas, na sua maior parte, nos laboratórios das Universidades da Cantábria, de Oxford e de Lisboa, e no Instituto Max-Planck, de Leipzig.

Fonte:CMAS

De onde se prova que a nossa bela e rica zona é procurada desde muitos anos atrás!

6.17.2013

Uma iniciativa...

Decorreu no passado Sábado, em Santiago do Cacém, uma iniciativa, promovida por uma jovem, que conseguiu animar ma parte do Centro Histórico.
Esta iniciativa, que animou a "Rua Direita" (nome tradicional) de Santiago, destacou uma série de actividades, memórias e estórias dessa rua, colocou gente na rua, musica a tocar, estimulou a participação colectiva, trouxe de volta a vida a uma zona, infelizmente, desertificada e envelhecida.
Mas acima de tudo demonstrou que qualquer pessoas, com ideias, vontade e iniciativa pode realizar eventos para a comunidade.
Não é necessário que seja iniciativa das Câmaras ou Juntas, que se esteja "pendurado" nas entidades oficiais, que sejam sempre os mesmos a fazer.
Parabéns à Raquel Ventura, mentora da iniciativa e a todos os que tornaram possível esta realidade e que se tenham aberto portas para outras iniciativas!

5.10.2013

Se não fosse ridículo seria preocupante....

A Câmara Municipal de Santiago do Cacém anuncia a Santiagro como a maior feira agrícola do Alentejo.
Se não fosse risível esta afirmação deveria-mo-nos preocupar com o estado mental de que a proferiu.
Será que os senhores da CMSC não vão à Santiagro? Não se dão conta do mau que é esta feira?
Será que não visitam a Ovibeja, a Feira de Agosto em Grândola, o S. Mateus em Elvas, a Faceco, etc. etc., só para nomear algumas?
É fazer pouco das pessoas e realmente só podemos sentir vexados quando esta gente diz estas coisas...e por esta gente entenda-se o actual ou futuro ex presidente Vítor Proença e o seu delfim Álvaro Beijinha.
Enfim....
http://diariododistrito.pt/index.php?mact=News%2Ccntnt01%2Cdetail%2C0&cntnt01articleid=851&cntnt01returnid=84

4.26.2013

4.09.2013

Mais uma edição de Festival de Música "Terras sem sombra"

A 9.ª edição do Festival Terras Sem Sombra arranca já este sábado, dia 13, em Almodôvar, com concertos agendados até Julho em algumas das mais importantes igrejas da Diocese de Beja, destacando-se os que ocorrem na nossa região: Santiago do Cacém (um regresso), Sines e Grândola e ainda a actividade com as crianças das escolas do Carvalhal, Melides e Comporta

Música, património e biodiversidade dão o mote a uma temporada que marca bem a diferença de um território com características culturais muito próprias, e que tornam este festival único e uma das referências da nossa região.

O programa e demais informação pode ser consultada aqui:
http://festivalterrassemsombra.org/um-alentejo-que-se-promove-pela-musica-2/

3.12.2013

Começam a desvendar-se os "mistérios"...

...que são as candidaturas autárquicas.
Provavelmente nunca houve uma tão grande mudança nas câmaras do Alentejo Litoral!
Três dos cinco municípios vão ter, obrigatoriamente de mudar de presidente, mas não necessariamente de cor politica.
A "incompetente" lei da limitação dos mandatos assim o obriga e, se calhar, talvez dor causa  da duvida ainda existente acercada recandidatura no concelho vizinho, tem obrigado ao silêncio táctico do PCP em relação ao "posto" onde irá colocar Vítor Proença, autarca em fim de mandato em Santiago do Cacém.
No entanto já apresentou o seu candidato, o vereador Álvaro Beijinha, um "independente", seja lá o que isso é, no conceito do PCP.
Igualmente o PSD apresentou o seu candidato, Pedro Gamito e está a resistir a uma coligação com o PP.
No PS, surgem nomes, mas também surgem zangas entre os socialistas, ou seja, nada oficiola até ao momento.
Zangas entre os socialistas parece ser comum, como em Alcácer do Sal e Grândoila.
Em Alcácer do Sal, existem divergências com os nomes de Torres Couto (alguém sabe porquê?) e Pedro Paredes, que, ao que parece, que não quer sair.
Esta zanga toma proporções "homéricas" em Grândola, onde já são três os candidatos ou proto candidatos: Candeias, Campaniço e Cordeiro...mas sabe-se que Beato ainda terá uma palavra a dizer e designar o seu "delfim".
Das outras forças partidárias nada se sabe, mas ventila-se Vítor Proença, do PCP, que também é apontado em Alcácer...talvez a sua aproximação aos grupos financeiros que dominam Grândola e Alcácer seja determinante.
Sines em total silêncio, apesar de ter sido apresentado um candidato PS, Nuno Mascarenhas.
Mesmo sabendo que Manuel Coelho talvez preferisse um estilo "chavista" e continuar no poder, será determinante na escolha do seu sucessor.
A Sul, nada de novo e será, talvez, o único concelho onde tudo se deverá manter.

1.18.2013

Refinaria da Petrogal


A nova unidade da refinaria de Sines iniciou a produção de gasóleo, abrindo caminho para que Portugal deixe de importar e passe a ser exportador deste combustível, divulgou a Galp Energia.
A unidade de hidrocraqueamento tem capacidade para processar diariamente 43 mil barris de gasóleo de vácuo pesado, "tendo já atingido um nível de produção comercial com uma carga superior a 60%", referiu a empresa em comunicado.
Segundo a Galp Energia, a nova unidade de refinação "encontra-se actualmente a operar em condições processuais normais", sendo de prever "a estabilização da produção à carga máxima" até ao final de Março.
Apesar de ser uma boa noticia para o País, será que não irá aumentar a poluição?

1.10.2013

Também boas notícias

Foi finalmente publicado no diário da republica o diploma da classificação da Quinta dos Olhos Bolidos e do Palácio da Carreira como Imóveis de Interesse Público.
Santiago do Cacém e o Alentejo Litoral ficam mais reconhecidos com estes dois monumentos que representam o melhor desta nossa região: as quintas históricas, tão ameaçadas, mas um património único do ponto de vista histórico, patrimonial e ambiental e que correm o risco de desaparecer e o palácio da Carreira, um dos mais notáveis exemplos do Alentejo Litoral e que valoriza todo o centro histórico de Santiago do Cacém.
Esperamos que esta noticias motive os responsáveis, e todos nós, para este enorme potencial regional!


Também digna de nota é a homenagem que a Câmara Municipal de Santiago do Cacém fez em memória dos dezassete pescadores que morreram na Lagoa de Santo André, em 1963,  numa onda gigante que varreu aquela povoação costeira!


1.03.2013

Ainda as entidades culturais privadas da região

Fomos surpreendidos, nas actas das reuniões da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, com a atribuição de uma verba à Associação Cultural de Santiago do Cacém.


Esta entidade, que tem estado dormente estes anos todos, nada tem feito de relevante em Santiago do Cacém, em prol da cultura, do desenvolvimentos, da divulgação, da formação.
Não se lhe conhece, nos últimos anos, qualquer actividade, qualquer plano de acção, qualquer orçamento e contas, eleições, enfim...nada.
Sabe-se que é presidida pelo pintor Charles Hejnal, mas não se conhecem os outros membros dos órgãos sociais.
Não seria mais adequado esta entidade mostrar serviço, antes de receber algum apoio da CMSC?
Não será um pouco discricionária esta distribuição de verbas?
O que motivou este subsídio, do nosso dinheiro, à Associação Cultural de Santiago do Cacém?
Por quê agora?
É estranho, especialmente quando se sabe que outras entidades culturais não receberam, nem recebem, um cêntimo da CMSC, que sobrevivem com grandes dificuldades e lá vão conseguindo executar os seus programas de actividades, que são públicos e conhecidos!
E para terminar, não é já o pintor Charles Hejnal beneficiado com a cedência, a título gratuito, de instalações, no antigo liceu, para proporcionar cursos de pintura, de onde retira proveitos?
Nada nos move contra o pintor Charles Hejnal, mas ganhar dinheiro à nossa custa, não achamos justo!
Todos nós, se quisermos exercer a nossa actividade, temos de pagar instalações, ou a CMSC vai começar a ceder instalações a título gratuito a todos que queiram dar cursos, ou aulas, ou exercer outra actividade qualquer...paga?
Aqui está uma discussão interessante...quem tem o direito a usufruir de instalações públicas?