11.28.2012

Mais uma superfície comercial em Sines


 A Câmara Municipal de Sines e a Sonae assinaram uma escritura do terreno para a construção de uma superfície comercial "Continente" em Sines. A alienação do terreno acontece na sequência da hasta pública realizada a 22 de outubro e significa uma receita para o município de
2 milhões 600 mil e 50 euros. Prevê-se que a unidade crie cerca de 150 novos postos de trabalho diretos. Continente, Worten, Sportzone, Modalfa e Bom Bocado são algumas das lojas que deverão ocupar os 6000 m2 da nova superfície comercial. O lote vendido tem uma dimensão de 26 510 m2 e está situado entre a rotunda desnivelada à entrada da cidade e a superfície comercial Intermarché, em área abrangida pelo Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. A unidade deve entrar em funcionamento no final de 2013.
Com esta notícia não podemos deixar de nos questionar sobre a necessidade, ou não, de mais uma superfície comercial....ao lado do Lidl, Intermarché e Pingo Doce.
Esperemos que a necessidade brutal de dinheiro por parte da Câmara Municipal de Sines não leve a Câmara a vender ao desbarato e a qualquer um, sem acautelar as necessidades de planeamento, crescimento e sustentabilidade, os terrenos "herdados" do Gabinete da Área de Sines....

4 comentários:

Anónimo disse...

O Belmiro de Azevedo sabe que há muito dinheiro a circular em Sines e que a câmara está falida e ávida de receitas. Grande jogada da Sonae.

Anónimo disse...

Mais que conjecturar importa consultar o Plano Director Municipal para aferir da sua eventual violação.
Se ocorreu, poderemos voltar a falar.

V Parreira disse...

Ao anónimo das 5.43.
Acho que a questão não tem a ver com o PDM.
Tem a ver com o tecido económico.
Será que Sines tem gente e clientes para mais uma superfície comercial desta natureza?
Será que não se está a dar a machadada final no comércio "tradicional"?
E as restantes superfícies comerciais "grandes"?
Não deveria a CM Sines potenciar e desenvolver o comércio no seu centro urbano, no centro histórico, que apresenta um espectáculo confrangedor, uma oferta péssima?
São essas lojas que fornecem os poucos turistas que nos visitam e que mereciam algum incentivo!

Anónimo disse...

Em todo o pais as grandes superficies convivem com o comércio tradicional, mas é evidente que este último vive diar negros porque não consegue acompanhar os preços dos hipermercados. Em Sines, é necessário modernizar o comércio tradicional e promovê-lo para o tornar mais competitivo, mais estaciomanento, mais atividades de animação na zona histórica, e outras mais.
Mas julgo que para a região já temos grandes superficies a mais para a população que temos.