11.15.2012

Entidades culturais privadas da região

Seguindo um desafio aqui colocado por um leitor, iniciamos uma troca de ideias sobre quem são, o que fazem, onde estão, como se financiam, as várias entidades que lidam com a cultura na nossa região.
Transcrevendo parcialmente o seu contributo:
 "A propósito das associações de defesa da história e do património a nascerem com cogumelos na região: não seria este um espaço de eleição para a sua inventariação, reflectindo-se sobre a(s) actividade(s) a que se propõem e os resultados obtidos.
Fazendo-se da CULTURA o parente pobre de toda a conjuntura que nos é imposta, seria uma grande oportunidade de entregar à sociedade civil a responsabilidade da gestão de uma causa em que é a principal interessada. Para tal, nada como começar por essas associações. Importa separar o trigo do joio. E ele há muito-mesmo muito- joio nesta região.
Discutir este aspecto neste blog seria uma forma de o tornar mais útil e interessante."
aqui lançamos a discussão.
Esperamos o contributo de todos, incluindo das próprias entidades e que vão desde ranchos de folclore, a grupos de teatro, associação culturais, etc.

18 comentários:

Anónimo disse...

Penso que as associações podem ser cruciais na defesa do património, mas se forem independentes e nunca como extensões, mais ou menos disfarçadas, dos poderes políticos vigentes que têm sempre uma certa inclinação para controlar e capitalizar o trabalho de algumas pessoas com boa vontade. Os tempos são de vacas magras, e parece-me que era mais viável unir estas pessoas de boa vontade numa boa associação do que dispersar as poucas migalhas de apoios que existem. Talvez isso não seja possivel por várias razões e porque haverá sempre uma luta de egos e vaidades que acaba por minar o terreno. Há um caso que me faz imensa confusão, que é a Associação Cultural de Santiago do Cacém, que tem a sede em instalações cedidas pela câmara municipal, mas que não vejo qualquer actividade realizada o que não deixa de ser um pouco estranho.

Anónimo disse...

Impora responder às perguntas seguintes:
1º-Quantas associações culturais existem?
2º-Quantas são consideradas de interesse público?
3º-Quantas são auto-sustentáveis?
4º-Quantas são independentes do poder politico e/ou autárquico?
5º-Quantas dependem de mecenato?
6º-Qual o nível de pro-actividade com os sócios?
7º- Quantas cumprem os objectivos para que se constituiram?
8º-Quantas apresentam anualmente as suas contas?

de cá disse...

Julgo que deverá ser importante chegarmos a conclusões sobre quem vive à sombra das autarquias, servindo como veículos destas para os seus objectivos políticos.
Também era importante saber a que título algumas destas entidades tem instalações cedidas pelas autarquias, a custo zero e que daí recebem dinheiro com organizações de festas e assim.

Anónimo disse...


No que concerne a Santiago do Cacém, no Governo Civil de Setúbal estão registadas como associações culturais, 16 entidades, a saber:
-alvalade medieval,
-associação cultural de santiago do cacém,
-associação cultural amigos de alvalade,
-associação artes e ofícios do alentejo;
-associação serra do cercal eventos e aventuras,
-cavaleiros de santiago-associação equestre,
-clube de patinagem miróbriga,
-futebol clube alvaladense,
-futebol clube ermidense,
-grupo ciclista os tartarugas,
-grupo desportivo o independente,
-grupo desportivo e recreativo da carapinha,
-grupo desportivo e recreativo da aldeia dos chãos,
-juventude atlético club,
-núcleo sportinguista do cercal do alentejo,
-união sport club.

Não estão registadas no Governo Civil de Setúbal, muitas outras, que se enumeram não taxativamente:
-sociedade harmonia,
-estrela de santo andré,
-os condinhos do bracial,
-liga dos amigos do sítio arqueológico de miróbriga,
-fábrica das artes...

Pois bem, alguém tem opinião formada sobre alguma das enumeradas ou outras que o não tenham sido.

O tema está sobre a mesa.

Alentejo_SW disse...

Muito obrigado pela participação.
Pedimos aos nossos leitores que façam parte destes entidades ou outras, não esquecendo os concelhos de Sines, Grândola, Alcácer do Sal e Odemira, que colaborem, respondam, publicitem as suas actividades ou que façam chegar este tema a quem possa e queira colaborar e esclarecer.
Antecipadamente gratos

Anónimo disse...

Vejo muito silêncio à volta do tema.
Será que não interessa aos leitores?
Será que se confirma a hipótese já aventada por alguns de que os blogues servem mais para a maledicência caluniosa do que para a discussão saudável dos problemas?
Será mais um exemplo de desconfiança genética que vê no tema um caso de perseguição áqueles que dizem que fazem alguma coisa pelos outros?
Será falta de tempo?
Ou antes falta de ideias?
Será sebastianismo?
Ou antes um não te rales e deixandar?
Um caso de demissão do dever de participação cívica?
Uma mistura de tudo?
Falta de liderança carismática?
As questões ventiladas pelos dois anónimos implicam um trabalho de equipa assegurado pelas tais pessoas de boa vontade que existem e estão atentas mas tardam em aparecer...

Francisco Lobo de Vasconcellos disse...

Tendo sido alertado para esta questão, em nome da LASAM - Liga de Amigos do Sítio Arqueológico de Miróbriga, aqui deixo alguns esclarecimentos, convidando todos os leitores a visitarem as Ruínas Romanas de Miróbriga e a fazerem-se sócios da LASAM.
3º-Quantas são auto-sustentáveis?
- Até agora a LASAM tem sido auto sutentável, sobrevivendo com quotas, donativos e patrocínios
4º-Quantas são independentes do poder politico e/ou autárquico?
A LASAM é totalmente independente
5º-Quantas dependem de mecenato?
- A LASAM depende de mecenato e donativos, não tendo recursos próprios
6º-Qual o nível de pro-actividade com os sócios?
- Razóavel, estando a LASAM aberta a actividades que possam ser propostas por não sócios e que se enquadrem nos objectivos
7º- Quantas cumprem os objectivos para que se constituiram?
- Julgamos que, a custo, lá vamos procurando cumprir os nossos objectivos principais: valorização e divulgação do Sítio Arqueológico de Miróbriga.
8º-Quantas apresentam anualmente as suas contas?
- Todos os anos, em Assembleia Geral, são apresentadas as contas da LASAM

O Presidente do Conselho Directivo
Francisco Lobo de Vasconcellos

Anónimo disse...

Antes de dizer qualquer coisa, fica aqui registado a louvavel iniciativa do Presidente da LASAM em divulgar o que é a Associação.
Pertenço a uma Associação do Concelho e como não estou mandatado não vou dizer o seu nome. Esclareço que é uma das que não recebe a "gratificação" da Câmara e vive quotas, donativos e patrocinios, logo não está à espera dos euros que muitos recebem "tarde e a más horas", muitas vezes com fanfarras e fotografias para que saibam que "eles" é que fazem "sobreviver" as associações.

Anónimo disse...

Também pertenço a uma associação do concelho, dessas que recebem uns tostanitos todos os anos da câmara de santiago e gostaria de saber porque é que as verbas da Repsol, Galp e outras são sempre distribuidas pela câmara às mesmas associações e coletividades sendo que existem muitas outras que vivem com mais dificuldades que essas que são privilegiadas anualmente.

Anónimo disse...

3 associações culturais em Alvalade?

Anónimo disse...

Os Barrigotos, Associação Recreativa de Alvalade.
Associação Cultural Os Amigos de Alvalade
Casa do Povo de Alvalade que tb é 1 associação recreativa
e Associação Alvalade Medieval. Tudo em prol de Alvalade.

Anónimo disse...

Célula do PCP em Alvalade. Também fazem bailes para angariação de fundos...

Anónimo disse...

Todas as entidades culturais ou não que recebem subsidios do Estado, via autarquias ou outros, deveriam ser obrigadas a mostrar publicamente as suas contas, nem que fosse só no conselho da sua área.
A transparência é a mãe de todas as virtudes.

Anónimo disse...

Alguma retórica, bastantes interesses e demasiado compadrio.
Este é o denominador comum das associações culturais onde não vejo espaço para excepções.

Anónimo disse...

nao existe nenhuma associaçao alvalade medieval.....o alvalade medieval é feito pela acaa.....

Anónimo disse...



Cultura?!...

Se fosse culturismo talvez houvesse mais participantes!

Feche o blog, Sr. Administrador e deixe-se de utopias.

Anónimo disse...

a rapaziada do PC já tomaram conta do Estação de Sines e agora o alvo é este blog que é o unico que resta para apanhar ou fechar. Eles andam aí, disfarçados.

Anónimo disse...

O tema em tabela gira à volta da cultura.
Tema caro ao propritário do blog e carissimo a mim proprio.
Todavia, e pela fraquissima adesão que o mesmo tem suscitado, pergunto-me se vale realmente a pena a discussão, porque não há
poetas nem filósofos qu
e nos valham.
Os leitores desviam-se com muita facilidade para a questão da gestão autárquica. Terão razão, pelo que vou sabendo, e por isso, do cruzamento do tema proposto com os reais interesses dos participantes, resulta a perspectiva da própria câmara municipal como entidade promotora e de divulgação da cultura.
O blog dá-nos bastos exemplos da cultura menor que a autarquia teima em fazer soar. Mas, pela minha parte e porque este interesse que, devendo ser geral se dirige a muitos poucos, leva-me a equacionar a QUESTÃO DOS APOIOS,DESIGNADAMENTE OS FINANCEIROS, QUE A CÂMARA MUNICIPAL DE SANTIAGO DO CACÉM CONCEDE NAS PUBLICAÇÕES DE ALGUNS LIVROS COMPLETAMENTE ARREDADOS DAS BOAS PRÁTICAS LINGUÍSTICAS, LITERÁRIAS, CHEIOS DE ESQUIZOFRENIAS INSULTUOSAS PARA ALGUMAS DAS FAMÍLIAS DA TERRA, FACILMENTE RECONHECÍVEIS E CUJO DIREITO AO BOM NOME NUNCA FOI ACCIONADO DEVIDAMENTE.
Mais do que nunca os apoios a esses jeitosos no escrever deve ser afastados do orçamento muncicipal.
Mais do que nunca a câmara deve prestar contas da forma como tem dissipado essas verbas.