10.31.2012

As jangadas de S. Torpes a patrimónioda UNESCO?


Segundo foi noticiado a entidade de Turismo do Alentejo quer ver as tradicionais jangadas de São Torpes classificadas pela Unesco, assim como a arte chocalheira das Alcáçovas, os tapetes de Arraiolos, a tapeçaria de Portalegre e as Festas do Povo de Campo Maior.

Mas a par deste trabalho, a Turismo do Alentejo tem "um projecto mais vasto" para promover a candidatura de "um conjunto de bens imateriais" junto da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco).
 "Consideramos que há determinados bens imateriais, uns em vias de extinção e outros com grande significado no contexto da região, que também merecem ser candidatados e classificados pela Unesco", argumentou o presidente Ceia da Silva
O projecto visa a salvaguarda da arte de fazer chocalhos característica das Alcáçovas (concelho de Viana do Alentejo); dos tapetes de Arraiolos e da tapeçaria de Portalegre; das Festas do Povo de Campo Maior, quando as ruas da vila ficam "engalanadas" com flores de papel; e das jangadas de São Torpes (concelho de Sines), embarcação que se supõe de origem fenícia e usada na pesca artesanal local.
Este trabalho vai incluir acordos de colaboração entre a Turismo do Alentejo e as câmaras municipais ou outras associações dos concelhos envolvidos, prevendo Ceia da Silva que os mesmos sejam todos assinados no espaço de "seis meses".
As jangadas de cana, utilizadas para a pesca costeira nas praias a sul de Sines estão em vias de desaparecer, restando muito poucos exemplares e qualquer dia não haverá ninguém que as saiba construir e utilizar.
Esperemos que mais este exemplo do nosso património não desapareça!

7 comentários:

Anónimo disse...

Por falar na classificação das jangadas de s. torpes, pergunto a quem souber responder como é que está o processo de classificação do centro histórico de santiago cacém a património da humanidade que o iluminado proencinha prometeu à uns tempos?

Anónimo disse...

Parece-me bem isto da Turismo do Alentejo. Só por uma vez vi as jangadas de São Torpes mas penso que é de apostar em não deixar perder isso antes que desapareçam as ultimas pessoas que as sabem fazer. Não sei porque é que este tipo de noticias não aparecem nas nossas rádios nem jornais regionais.

Maria Fernanda Silva disse...

Há um desconhecimento tremendo sobre estas jangadas na região e não me lembro de qualquer trabalho que tenha sido feito para as divulgar. Mas são únicas no sul do país e merecem ser classificadas.

Anónimo disse...

Com as jangadas de S. Torpes e o centro histórico de Santiago como património da Unesco, agora é que isto vai mesmo para a frente com charters de chineses e outros turistas de todo o mundo. Até já estou a ver o Manel Coelho e o Vitor Proença todos inchados a receberem condecorações atrás de condecorações.

Anónimo disse...

É uma excelente notícia da Turismo do Alentejo, mas no caso das jangadas elas precisam de algo mais do que uma classificação.

Anónimo disse...

E depois até nem é preciso mais nada porque para trazer turistas de todas as partes do mundo está ali bem perto o aeroporto de Beja ou de Ferreira ou sei lá de onde...
Eh,eh,eh!!!!

Anónimo disse...

E já agora por que não os rolinhos doces, os vasquinhos?
E as lojas dos chineses?
Então e a estupidez e a coscuvilhice tão arreigadas na alma da maioria daqueles que duma forma ou doutra vivem ou se arregimentaram no litoral alentejano?- Tudo isto é património cultural que as gentes classificaram por integram um conjunto de bens susceptíveis de formarem a sua identidade...