4.26.2012

Ouvimos e não acreditamos....

...lemos e não acreditamos.

Santiago agora é Castro Verde?
Realmente o enxovalho atingiu o seu máximo.
O facto de se dar a "chave da cidade" ao Carlos do Carmo já era algo de grave e acintoso.
Agora ele vir cá, pago e bem pago e nem saber o nome da cidade de quem lhe pagou o cachet e lhe deu a "chave" é escandaloso.
Sentimo-nos humilhados.
Por ele.
E por quem o convidou.
Nós, que pagamos a conta, não merecemos isto!

4.13.2012

Irregularidades em Grândola

Irregularidades detectadas em 18 municípios

A Inspeção-Geral da Administração Local detectou irregularidades em 18 municípios. Em causa estão promoções ilegais, sendo que os funcionários podem agora ser obrigados a devolver o dinheiro dessas promoções.
O Jornal de Negócios consultou os cinco processos que já são públicos (Grândola, Melgaço, Ferreira do Alentejo, Celorico da Beira e Gavião), e concluiu que, só nestes municípios, foram promovidos 390 trabalhadores, com um custo total de 680 mil euros.
Em Grândola, por exemplo, a IGAL considerou as promoções irregulares e enviou o processo para o Ministério Público, para que o tribunal anule os atos na origem das promoções.

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=544580&tm=8&layout=123&visual=61

fonte: RTP

4.09.2012

"...de função..."

Lemos e não acreditamos...
Lemos, nas actas das reuniões de Câmara, que a Câmara Municipal de Santiago do Cacém resolveu atribuir uma "casa de função" a uma determinada funcionária.
Acontece que essa funcionária tem um filho do actual Presidente da Cãmara, que, no entretanto, já resolveu procurar conforto noutros braços.
Nada de mais...as razões do coração são, muitas das vezes, impossíveis de controlar...
Agora que sejamos nós, os santiaguenses, a pagar a casa à dita senhora, a sustentar os devaneios amorosos do Sr. Proença é que já é um pouco de mais.
Era importante saber o que motiva esta atribuição, que cargos tão importantes ocupa essa senhora, que critérios presidem a isto.
E já agora, quantas mais "casas de função" existem, estão atribuídas, a que valores.
Para não falar das variadissimas cedências de espaços que o município atribui sem critérios, sem concurso, sem justificação!
Nota: nada nos move contra a sobredita funcionária...apenas contra a atitude do executivo.