12.16.2010

Em dez anos desapareceram 112 mil explorações agrícolas

Uma em cada quatro explorações agrícolas deixou de existir nos últimos dez anos, num total de 112 mil explorações que desapareceram. De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), que divulgou dados preliminares do recenseamento agrícola de 2009, Beira Litoral, Ribatejo, Oeste e Alentejo são as zonas mais afectadas. Há, ainda, menor número de explorações pecuárias, tendo o número de porcos, ovelhas e cabras caído 25 por cento.Há menos vinha, batatas e cereais para grão, menos pomares de frutos frescos, menos limões e laranjas. Por outro lado, subiu a produção de frutos subtropicais e aumentou ainda o número de tractores.
Como se pode concluir, acentua-se a desertificação do interior e em Odemira, Grândola e Santiago do Cacém é um dado procupante.
Especilamente com o desinvetimento e o abandono a que estão votadas as freguesisas rurais.
Pode-se dizer que o PROTA e a nova proposta do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina apenas vem ajudar a acentuar este problema!

6 comentários:

Anónimo disse...

Não vejo qual é a admiração...!!!
A seguir ao 25 de Abril os comunistas destruiram e roubaram a maioria das propriedades que existiam no Alentejo...A seguir vieram os politicos corruptos e desejosos de poder que assinaram um autêntico suicidio agricola com os grandes da UE...
Toda esta gente ainda está no activo e não lhes aconteceu nada...

QUAL É A ADMIRAÇÃO...!!!???

SOLUÇÃO: fechar fronteiras, recuperar com os poucos agricultores que ainda temos, a nossa agricultura e os nosso terrenos abandonados, recuperar as pescas e vivermos com as nossas possibilidades...era o que se fazia nos tempos antes do 25 de Abril.
Ser pobre não era vergonha...Agora é, porque os novos pobres têm carro, casa, emprego e, não conseguem ter dinheiro disponível para comer e educar os filhos...Os politicos incompetentes e mediocres, que nos têm governado de há 36 anos a esta parte, criaram uma classe de pobres envergonhados...

HÁ DIAS FIZ ALGUMAS CENTENAS DE KMS EM AUTO-ESTRADAS, ONDE VI NO MÁXIMO 10 CARROS...E OS CAMPOS DO NOSSO ALENTEJO ESTÃO DESERTOS POR IMPOSIÇÃO DE QUEM NOS DEU O DINHEIRO PARA CONSTRUIR AS TAIS AUTO-ESTRADAS...!!!

É A VIDA...QUEREM DEMOCRACIA (PARTIDOCRACIA)...AÍ TÊM...

Durante dezenas de anos comiamos o que cultivávamos...agora comemos o que os outros fabricam e cultivam...

Anónimo disse...

Infelizmente o mundo rural está cada vez mais despovoado e o litoral alentejano não é excepção, já que o problema observa-se em todos os concelhos, sobretudo no interior rural. As politicas do poder central têm litoralizado o país, mas as câmaras municipais podiam ajudar a atenuar isso, mas infelizmente não querem fazer nada. No concelho de Santiago, enquanto se gastam milhões nas cidades de Santiago e de Santo André, deixa-se cair o cine-teatro Vitória em Ermidas, que comparado com o que se tem gasto nas duas cidades do concelho, seriam trocos. Que se lixe o cine-teatro Vitória de Ermidas, porque os votos que nos mantêm no poder estão em Santo André e em Santiago Cacém. Tudo o que é freguesias rurais com poucos habitantes, é para deixar ao abandono.

Anónimo disse...

O interior do concelho de santiago é para arder em fogo lento, porque os votos estão em santo andré e em santiago do cacém. No interior vivem praticamente só idosos e basta uns passeios e folares na páscoa para os centros de dia e os votos ficam assegurados para 2013. Em santiago e em santo andré a população é mais nova e precisa de ser adoçada de maneira diferente, com obras, concertos e artistas das novelas para o voto ser ganho. A CDU não brinca em serviço.

Anónimo disse...

Realmente os alentejanos não gostam de trabalhar. Este blog é a imagem disso mesmo, semanas a fio sem um novo post.
Gosto muito da região, mas este blog não ajuda nada a divulgá-la. Deveria chamar-se Preguicite Litoral.

Ponto Verde disse...

Este é o resultado de um modelo errado de desenvolvimento que nos tem sido dado como a resolução de todod os problemas , só que cada vez mais as assimetrias são maiores entre nós e cada vez estamos mais longe da Europa.

Votos de Bom Ano , saudações democráticas e blogoesféricas.

Anónimo disse...

Se já temos assimetrias ao nivel de alguns concelhos, feitas pelos proprios autarcas, não é de admirar que as politicas nacionais sejam ainda piores. É no poder local, que está mais perto das pessoas, que tem que começar o trabalho de reduzir as assimetrias.