11.22.2010

Depois da incubadora..agora é uma Universidade

Santiago do Cacém e Vitor Proença não param: depois do anuncio da incubadora de empresas, que vai surgir em Santiago do Cacém, parece que agora é uma Universidade.
Supomos que em breve o Concelho será pequeno para tanta coisa que irá ser lá instalada. Pena é que nada depois se concretize, e o que existe não apresente resultados (vide Escola de Guitarra do António Chaínho).
E importantíssimo que Santiago ( e os restantes Concelhos) instalem actividades, mas com alguma lógica, com alguns resultados.
O que se seguirá? A NASA? O Parlamento Europeu?
Transcrevemos, com a devida vénia, a notícia que apareceu no Diário do Sul:
A Câmara de Santiago do Cacém vê com bons olhos a possibilidade de este concelho do Litoral Alentejano vir a acolher um pólo do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra.
Como o “Diário do Sul” avançou segunda-feira, o director do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DPHADB), José António Falcão, pediu o apoio às autarquias depois de ter lançado a ideia junto dos responsáveis daquela universidade e já recebeu o “sim” do autarca Vítor Proença.
Em declarações ao “Diário do Sul”, o presidente da Câmara de Santiago do Cacém garantiu ser “muito positivo admitir-se a hipótese do Litoral Alentejano vir a receber esse pólo”, garantindo que “se houver uma escolha de Santiago do Cacém e nos for solicitado um edifício, estaremos disponíveis para o encontrar e viabilizar a sua localização aqui”, assumiu o edil.
De resto, Vítor Proença considerou ainda que o facto do professor Carlos Fortuna, natural de Santiago do Cacém, ser um reputado docente da Universidade de Coimbra, poderá ter aqui um papel importante, tratando-se de uma figura com vasta obra realizada e publicada no campo da investigação sociológica.
“Também o facto de hoje termos a noção de que o ensino universitário está a perder alunos, o que inviabiliza a criação de novas universidades, faz com que possamos e devamos admitir a criação de pólos, centros de estudos e outras áreas, que sejam importantes no domínio da descentralização, mas que podem não estar ligadas fisicamente à própria universidade”, insistiu, reiterando “a total abertura de Santiago do Cacém para acolher projectos desta natureza. Ainda não fomos abordados por ninguém, mas se chegarmos a ser, acolheremos esta ideia.”
Recorde-se que o Litoral Alentejo regista apenas uma experiência de ensino universitário com o Instituto Piaget, depois de uma tentativa falhada em Grândola com a instalação do ISCTE – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa. “Acho que esse centro de estudos seria um factor tão positivo para a região, que teria mesmo condições de ultrapassar as fronteiras do litoral, porque poderia atrair pessoas de Beja, do Algarve e até península de Setúbal”, reiterou Vítor Proença.
O principal argumento exibindo por José António Falcão para sugerir a abertura do pólo na região passou pelo facto do Litoral Alentejano ser hoje uma espécie de “laboratório social de primeira ordem”, tratando-se de uma zona que está numa transformação muito acelerada. Por outro lado, defendeu o mesmo responsável, essa transformação tem também repercussões no entendimento do mundo rural e na própria identidade da região, o que permitiria oferecer um novo espaço de observação favorável à compreensão da pós-modernidade e à reflexão sociológica.
O Centro de Estudos Sociais é uma instituição de investigação científica das Ciências Sociais e Humanas, que, segundo José António Falcão, teria uma perspectiva de permitir a realização de um trabalho transversal. Isto porque, não se limitaria a uma, duas ou três disciplinas, mas poderia abarcar um grande leque de áreas científicas

14 comentários:

Anónimo disse...

Ele é incubadoras, polos universitários.......eu sei lá.
O pior ainda é que criou uma série de "boys" à sua volta, incluindo uma assessora de imagem que controlam tudo a belo prazer.
A oposição é rara e só dá um ar da sua graça durante os periodos eleitorais.
Este Proença vive noutro mundo!

Anónimo disse...

Não vale a pena grandes argumentos sobre esta hipótese.
É simples:
- SE O PCP ACHAR BEM, DÁ ORDENS AO EMPREGADO QUE TEM NA CÂMARA DE SANTIAGO E FICA CÁ (acho que irão como sempre escolher Santo André),ESSE PÓLO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA...
- SE O PCP, DECIDIR QUE ISSO PODE SER UM PROBLEMA PORQUE A POPULAÇÃO PODERÁ FICAR MAIS INFORMADA E MAIS CULTA (o que os prejudica eleitoralmente), O PÓLO UNIVERSITÁRIO VAI PARA SINES, OU GRÂNDOLA...

É ASSIM QUE VAI ACONTECER...

Anónimo disse...

Antes era um tal centro de estudos jacobeus na cãmara velha, agora é um pólo universitário, de facto as ideias são boas e o Dr Falcão bem que se esforça mas com esta cãmara as ideias raramente conseguem sair das intenções, o que é uma pena porque Santiago merece mais e melhor.

Anónimo disse...

Esta palhaçada toda é mais um rolo de mentiras a que a CDU tenta vender aos eleitores porque temos aí o electricista a concorrer ás eleições presidenciais então é preciso votos para o homem só que desta vez o sapo é bastante gordinho significa que a derrota é ainda maior,

Anónimo disse...

Se a Universidade for assim como a obra da rua principal é uma grande obra até mete nojo grandes técnicos eu digo grandes burros eu até tinha vergonha de ser técnico da Câmara se estava ruim ficou péssima tenho bastante pena dos comerciantes daquela rua pensava que na CDU houve-se pessoas com inteligência afinal enganei-me peço desculpa.

Anónimo disse...

Uma nota que fica bem à vista, é que as grandes ideias que têm surgido são quase sempre de santiaguenses e não de elementos da câmara municipal. Portanto, é sinal que fora da cãmara há mais gente com valor que é preciso acarinhar e ouvir mais e não ter medo de meter em prática ideias de terceiros porque o mais importante é o concelho.

Anónimo disse...

O que muita gente comenta é que estas pessoas da CDU que estão à frente da CMSC estão praticamente esgotadas e sem ideias válidas para o concelho. Estão fora de prazo, demonstram uma total incapacidade e falta de ideias confrangedoras e nem um que se aproveita pelo que o ideal seria já haver um governo-sombra de uma lista independente para ir já traçando projectos para o concelho, e chegar ás próximas eleições já com o diagnóstico e um projecto para o concelho de Santiago Cacém.

lopes disse...

A questão é toda e qualquer ideia boa é roubada, alterada e estragada pela Câmara Municipal.
Em vez de deixar quem sabe fazer, tem a mania de se meter e estragar as boas ideias!
E sei do que falo!

Anónimo disse...

Não tem nada a ver com o tema do artigo, mas convém não esquecer que o Cine-Teatro Vitória em Ermidas-Sado está em ruinas e Ermidas é também freguesia deste concelho.

Anónimo disse...

ENquanto não "dominarem" os Ermidenses os tipos do PC, não mandam restaurar o Cine Teatro.
Têm que os "vergar"!

Anónimo disse...

Ao anónimo ermidense, é melhor não ter esperança porque se a cm quisesse já tinha feito algo mais pelo cine-teatro de Ermidas, que acabará no chão mais ano menos ano. Não se iluda porque o concelho é apenas Santo André e a cidade de Santiago, o resto é para esquecer porque os votos são poucos para a necessidade eleitoral dos partidos

efernandes disse...

Que pena que eu tenho de ler aqui comentários apenas "jucosos".
Realmente não precisamos de gente de fora para dizer mal de nós.
Tristeza, enfim...

Anónimo disse...

Pois, alguns só têm um alvo para dizer mal. Mas infelizmente não é só o Sócrates e o seu governo os maus da fita. Eu como não sou sectário, não gosto do Sócrates e aderi à greve geral, mas também sei o estado em que está o meu concelho, e a forma como é gerido. E não gosto. Mas alguns arrogam-se no direito de criticar e dizer mal das politicas do desgoverno central, e levam a mal quando se critica o poder local. Mas todos sabemos as razões.

Anónimo disse...

Pela minha vida profissional sou obrigado a percorrer todos os concelhos da região, desde as freguesias maiores às mais pequenas e digo-vos que Santiago é o concelho do Alentejo Litoral mais desiquilibrado. Das 11 freguesias, tirando a freguesia de Santiago e a freguesia de Santo André, o resto do concelho está praticamente abandonado e as pessoas sentem isso todos os dias ao verem partir os seus filhos para os grandes centros urbanos e ficando praticamente só idosos nessas freguesias.