3.19.2010

Costa Vicentina: Revisão do Plano de Ordenamento em discussão pública até 30 de Abril

A revisão do Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina está em discussão pública a partir de hoje, podendo os interessados consultar a proposta e apresentar observações ou sugestões até 30 de Abril.
A proposta em discussão pública assenta em vários pilares que, segundo divulgou o Ministério do Ambiente, incluem a adaptação a outros planos, como o Plano Sectorial da Rede Natura 2000, aprovado por uma resolução do Conselho de Ministros, de 21 de agosto.A adoção das normas orientadoras dos planos regionais de ordenamento do território, relativamente ao modelo de desenvolvimento turístico, é outro dos pilares da atual proposta, que inclui também a promoção das actividades económicas tradicionais, compatíveis com a salvaguarda dos valores paisagísticos e ambientais.
O incentivo a uma actividade agrícola ambientalmente sustentável, através da promoção da incorporação do Plano Sectorial do Perímetro de Rega do Mira, e a definição de uma área marinha e fluvial com cerca de 29 mil hectares sujeita a zonamento estão também previstos na proposta.Outro dos pilares em que assenta o novo plano prende-se com a implementação de um modelo de ordenamento, planeamento e gestão da zona costeira, em conformidade com a Estratégia Nacional para a Gestão Integrada da Zona Costeira.A revisão do Plano de Ordenamento contempla ainda o estabelecimento de condicionamentos à edificação dispersa, bem como a promoção da integração paisagística das edificações e infraestruturas, privilegiando a utilização de materiais de construção tradicionais da região. Integrado na Rede Natura 2000, o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina estende-se por uma faixa estreita do litoral, entre São Torpes, no concelho de Sines, e Burgau, no concelho de Vila do Bispo, com uma extensão de 110 quilómetros e uma área total de cerca de 131 mil hectares.
Durante o período de discussão pública, os interessados podem apresentar observações e sugestões, tendo disponíveis para consulta os elementos documentais e cartográficos que constituem a proposta de revisão.Os documentos podem ser consultados na página da internet do Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade (www.icnb.pt), bem como nas câmaras municipais de Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo e ainda nas instalações do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

5 comentários:

Anónimo disse...

Mais um novo potencial na região, oxalá o saibam aproveitar para o turismo. Cá está mais um potencial para um projecto intermunicipal em prol da região. Oxalá os nossos autarcas saibam encontrar plataformas de entendimento e deixar para trás das costas as diferenças politicas porque é a regiao que está em jogo.

Anónimo disse...

Esta região tem um potencial enorme. Está um bocado adormecida mas é de uma valia impressionante. Tinhamos falta de bons gestores para a gerir, porque muitos autarcas não têm capacidade para gerir nada. Os concelhos e as regiões deviam ser geridos por pessoas de mérito comprovado em vez de politicos eleitos por pessoas ignorantes e sem qualquer instrução.

Anónimo disse...

As associações fundamentalistas que dizem estar interessadas no meio ambiente...têm sido, juntamente com os comunas, a PRIMEIRA RAZÃO DO ATRASO DO ALENTEJO, PRINCIPALMENTE DESTA COSTA QUE PODIA GERAR COM INTELIGÊNGIA E SENSIBILIDADE CENTENAS DE MILHARES DE POSTOS DE TRABALHO...
PORTUGAL SÓ TEM UMA SAÍDA...O TURISMO.

OS MIUDOS FUDAMENTALISTAS QUE DEFENDEM O "PASSARINHO DE BICO AMARELO", E O "RATO DA CABREIRA"...VÃO CONTINUAR A IMPEDIR, QUE O POVO, O SER HUMANO, VIVA MELHOR...

Anónimo disse...

Para "viver melhor" não é necessário destruir a natureza...

Muita coisa pode ser feita, se houver um bom planeamento, sem invadir a costa alentejana de betão e construções desenquadradas desta lindíssima dádiva da natureza (de DEUS)...
Muitos postos de trabalho podem ser criados no âmbito do turismo de natureza, explorando as belezas existentes, sem as destruir...

Exemplo: as actuais visitas à Ilha do Pessegueiro, com caminhos próprios para turistas e acompanhamento por guias de Porto Covo.

Anónimo disse...

Sendo assim, qualquer dia fazem uma "Badoca Safari Park" com "Alentejanos" em vias de extinção...com guias turisticos "especializados"...

Os Alentejanos são com certeza, também...uma "dádiva" de DEUS...

VOCÊ ACHA QUE VISITAS GUIADAS À ILHA DO PESSEGUEIRO...É TURISMO DE QUALIDADE?''''DÁ EMPREGO A QUANTAS PESSOAS? O QUE É QUE OS TURISTAS VÃO LÁ VER?...ALGUMA GAIVOTA EM VIAS DE EXTINÇÃO...OU RESÍDUOS "INTESTINAIS" DAS MESMAS??????

ESTÁ TUDO DOIDO!!!!!!!!!