7.29.2009

Sessão sobre os impactos negativos da Ferrovia Sines_Grândola Norte

Vimos convidar todas as pessoas que se interessam pela nossa região, pelo seu desenvolvimento, pela sua paisagem, pela sua riqueza, pelo seu ambiente e pelo seu dinheiro a participar numa sessão-debate sobre "Os Impactos Negativos do Novo Traçado da FerroviaSines-Santiago-Grândola no Alentejo Litoral" que se realiza no próximo dia 29/07/2009, pelas 21h30 no Auditório Municipal "António Chainho" em Santiago do Cacém.
Trata-se de uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Santiago do Cacém e que na qual estarão presentes, entre outros, Vítor Proença - Presidente da Câmara Municipalde Santiago do Cacém, Carlos Beato - Presidente da Câmara Municipal de Grândola,Francisco Santos - Presidente da Câmara Municipal de Beja, Professor Manuel CostaLobo - Instituto Superior Técnico, Professor Fernando Nunes da Silva - Instituto Superior Técnico e Especialista em Transportes e Acessibilidades, Professor Augusto Mateus - Consultor em Estratégias de Desenvolvimento, bem como a AssociaçãoProtectora do Montado Contra a Ferrovia Relvas Verdes - Grândola Norte.
Sendo urgente a concretização desta Ferrovia para mercadorias em velocidade alta, pretende-se com esta iniciativa discutir as alternativasde traçado aos corredores de atravessamento propostos pela Refer e no entender de muitos prejudiciais ao desenvolvimento da Região do Alentejo Litoral e sua complementaridade com Beja, bem como nos dois municípios mais afectados: Santiago do Cacém e Grândola.

7.16.2009

Ele ai está...

Já começou o melhor festival do Alentejo Litoral:
O Festival Musicas do Mundo em Sines ( e este ano também em Porto Covo).
É a prova de como se conseguem fazer excelentes iniciativas na nossa região, é a prova de que, com originalidade e qualidade, se consegue colocar esta região no mapa, é a prova de que ainda se conseguem fazer eventos interessantes.
Todas as informações em http://fmm.com.pt/ e lá nos encontraremos!

7.13.2009

Agitação autárquica

Depois da agitação em Sines, que promete ser um caso a seguir com atenção nas eleições autárquicas, tanto a nível de debate prévio e ideias futuras como a nível de resultados, sugre agora outro foco de interesse em Alcácer do Sal João Massano é o novo cabeça-de-lista do PS à câmara de Alcácer, com a nomeação de João Massano, presidente da comissão concelhia política de Alcácer do Sal, para cabeça de lista do PS à câmara municipal daquela cidade.
Depois de Pedro Paredes, o actual presidente, lhe ter retirado todos os pelouros por, alegadamente, existirem “métodos de trabalho diferentes entre o vereador e a restante equipa”, João Massano perfila-se agora como novo candidato, ao angariar doze votos, em catorze possíveis, numa votação em que “a esmagadora maioria dos membros da comissão votaram a favor da lista encabeçada pelo actual vereador”.
Apesar de não querer falar ainda sobre este assunto, dado que a “tomada de posição da concelhia ainda é bastante recente”, João Massano conseguiu a maioria dos votos na “participada reunião da comissão concelhia política” que aprova, nos termos 41.º e 91.º dos estatutos do partido, as listas dos candidatos aos órgãos autárquicos do respectivo concelho. Vítor Ramalho, presidente da distrital, garantiu que a “direcção do PS e a federação, em conjunto, vão tomar ainda uma posição pública sobre o assunto”.
Fonte próxima de Pedro Paredes alega, por sua vez, que este ainda “não reuniu a informação necessária para se pronunciar perante a comunicação social”.
António Balona, candidato pela CDU à câmara alcacerense, sublinha, por sua vez, que as suas propostas eleitorais e o plano estratégico do seu partido “se manterão”, escusando-se a fazer mais comentários sobre a situação interna que se vive no PS de Alcácer do Sal. Ainda assim, nota que “sempre” constatou que “havia uma total descoordenação e ausência de trabalho em equipa” entre o actual presidente, Pedro Paredes, e o vereador João Massano.
Dois concelhos a seguir com atenção, visto que nos outros será pouco mais do mesmo.

Alguns esclarecimentos (novamente...)

No seguimento de alguns posts vimos novamente esclarecer algumas questões relacionadas com este blogue.
Relembramos que este blogue é feito por algumas pessoas que dedicam algum do seu tempo a colocar algumas notícias sobre o Litoral Alentejano.
Não pretendemos cobrir todos os assuntos que se passam na nossa região.
Não podemos colocar todas os factos que aqui tem acontecido.
Ou por manifesta falta de tempo, pois não somos bloggers profissionais, mas sim profissionais em outras áreas que dedicam algum tempo ao blogue ou porque procuramos dar algum destaque a notícias ou factos que tem menos espaço nos media ou que passam desapercebidas.
Sabemos que o voluntarismo e a boa vontade de alguns não pode agradar a todos, mas reafirmamos uma coisa: este blogue não é para promover o partido A ou B, a pessoa C ou D, mas sim para promover e valorizar a nossa região, o Alentejo Litoral.
Voltamos a colocar aqui o mail para, quem quiser, enviar informações, notícias ou artigos que se possam enquadrar neste espaço: Alentejo_SW@hotmail.com, como aliás alguns leitores já o tem feito.
Mais uma vez afirmamos que não somos veículo de promoções pessoais ou intitucionias ou agente de forças políticas!

7.08.2009

LPN contra proposta de novo Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) considerou hoje que a proposta de um novo Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina põe em risco as espécies e os habitats e “viola directivas internacionais”.
“A ser posta em prática a actual versão, que ainda é uma versão de trabalho deste plano, consideramos que ficam em risco os objectivos do parque e as espécies, os habitats e a paisagem”, afirmou Francisco Moreira, da direcção nacional da LPN.
Em declarações à agência Lusa, o dirigente ecologista disse que a LPN "pretende evitar que algumas das normas que existem neste plano sejam efectivamente postas em vigor”.“Tão graves são que podem levar à destruição de espécies e habitats protegidos por directivas comunitárias. Daí a nossa intenção de informar a Comissão Europeia, caso esta proposta vá para a frente, para a violação de directivas internacionais”, avançou.
A Liga "pretende alertar a opinião pública, a sociedade e também a União Europeia relativamente ao que se passa com a proposta que está em cima da mesa para o Plano de Ordenamento do Parque”, disse, aproveitando o Dia do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), que se celebra hoje.
O dirigente da LPN considerou ainda que a actual proposta “recua” em relação ao Plano que está em vigor e “sugere que os valores naturais do parque podem ficar em risco”, identificando “a pressão turística” e a “rega na agricultura” dentro do Parque como “dois problemas graves”.
“O Parque tem dois problemas graves, entre outros, que têm a ver com a pressão turística no litoral e com a existência do perímetro de rega na agricultura dentro do Parque”, afirmou Francisco Moreira.“Nos últimos anos temos assistido a uma proliferação de aprovações de empreendimentos turísticos em áreas sensíveis e extremamente valiosas para a conservação da biodiversidade, como o Espartal e o Martinhal, a uma aposta continuada em práticas agrícolas intensivas de regadio e a um fechar de olhos à delapidação dos recursos marinhos”, alertou a LPN, em comunicado.
Segundo Francisco Moreira, “as propostas deste plano hipotecam as possibilidades de salvaguardar a conservação da natureza na área do Parque”.
Para a Liga, o futuro do PNSACV deve passar “pelo reforço” de medidas de protecção da natureza e da biodiversidade e pela “atribuição do estatuto de Parque Nacional”, numa zona que classifica como “uma das mais importantes áreas naturais costeiras do Sul da Europa”.
A LPN considera que o novo Plano de Ordenamento deve “impossibilitar a construção de empreendimentos turísticos fora dos perímetros urbanos” e “rejeitar a instalação de novos campos de golfe e de parques eólicos”.“Conciliar as práticas agrícolas com a conservação dos valores naturais”, “aumentar a área de Protecção Total” e “aumentar as áreas de protecção marinha para um mínimo de 30 por cento” são outras medidas que a Liga defende que devem constar no Plano de Ordenamento.
O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina estende-se entre a ribeira da Junqueira, em São Torpes, e a praia de Burgau, no Algarve, abrangendo os concelhos de Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo.
Ao ler esta opinião da LPN, difundida pela Lusa, ficamos um pouco confusos, porque se ouvirmos a opinião das autarquias, são contra esta versão do Plano, porque limita grandemente a construção e os novos empreendimentos. Se ouvirmos os agricultores, são contra a versão do Plano porque os limita nas suas práticas culturais, nas limpezas de mato e na possibilidade de alteração de culturas. Se ouvirmos os pescadores e afins, estão contra esta versão do Plano, porque limita as quantidades de pesca e as zonas a pescar.
Enfim, achamos que esta proposta de plano tem uma virtude: está toda a gente contra!
E apenas gostariamos que "o" Plano, aquele que venha a ser o definitivo tivesse em conta que as posições extremas apenas prejudicam o outro lado.
Ambientalistas versus quem vive no e do Parque Natural, autarcas versus quem gosta e aprecia a qualidade excepcional desta zona, etc.

7.02.2009

Descobrimos....

Agradecemos a ajuda de um participante deste blogue, que nos enviou a razão porque o Hotel Caminhos de Santiago vai receber uma medalha municipal... e se calhar também deveriam dar uma medalha à Ana Malhoa!

Esperemos que os restantes participantes não fiquem incomodados com esta notícia....porque o tom não pode ser sempre carregado e de crítica!

A ferrovia