12.22.2009

Boas Festas

A todos os leitores e participantes deste blogue e a todos os que vivem e gostam do Litoral Alentejano, desejamos uma Boas Festas!

12.16.2009

Declarações de Vieira da Silva

Transcrevemos as declarações do ministro Vieira da Silav sobre o elefante branco chamado "Aeroporto de Beja", que poderia ser algo que servisse toda a nossa região Alentejo e em especial o litoral.
Mas não...é algo em que o Governo enterrou alguns milhões dos nosso euros e não sabe o que irá fazer com ele.
Só neste país!
"O Ministro da Economia considerou esta terça-feira que, mais cedo ou mais tarde, o aeroporto de Beja suscitará o interesse das companhias “low cost”. Vieira da Silva garante que com «persistência e imaginação» podem criar-se oportunidades para explorar a infraestrutura e torná-la interessante.
Vieira da Silva, garante acreditar que o aeroporto de Beja ainda vai suscitar o interesse das "low cost".
Confrontado com o desinteresse das companhias aéreas para as quais o aeroporto de Beja foi pensado, o ministro da Economia afirmou, esta terça-feira, que espera outra reacção por parte destas empresas, em concreto quando estiverem concluídos todos os investimentos previstos para o Alqueva e para o Litoral Alentejano.
«É uma infraestrutura que terá muito mais apetência quando se desenvolverem, na região e nas proximidades, destinos que tenham a capacidade de gerar muito mais fluxos regulares e importantes
. Refiro-me, por exemplo, à zona do Alqueva», explicou Vieira da Silva.
«Este não é um projecto que se desenvolva de um dia para o outro pois vai necessitar de um trabalho longo. De qualquer forma, esse trabalho está a ser feito», acrescentou.
Com quase um ano de atraso, as obras do aeroporto de Beja estão quase concluídas mas ainda não há operadoras interessadas. Entre as companhias “low cost” contactadas pela TSF, a Easyjet já garantiu que não pretende voar para a capital do Baixo Alentejo."

12.13.2009

A recuperação Castelo de Sines vence prémio do IHRU 2009

A recuperação do conjunto urbano do Castelo de Sines venceu o Prémio IHRU 2009 na categoria “Reabilitação Integrada de Conjuntos Urbanos”.
Atribuído pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), o prémio reconhece a excelência de um conjunto de intervenções promovidas pelo município de Sines no Castelo e envolvente, nomeadamente, a recuperação dos edifícios interiores para instalação do Museu de Sines, com projecto e coordenação do arquitecto Ricardo Estevam Pereira e co-financiamento do Programa Operacional da Cultura.
Mais do que os méritos desta obra isolada, este projecto congrega o esforço desenvolvido de dinamização cultural e social do Castelo e dos espaços urbanos envolventes, incluindo intervenções como a qualificação do Largo Poeta Bocage e a abertura de uma segunda porta na muralha este do Castelo e um programa cultural onde se destaca o Festival Músicas do Mundo e a actividade regular da Casa da Juventude, instalada no Largo. Este trabalho terá continuidade no Programa de Regeneração Urbana, a desenvolver a partir de 2010 na transformação da frente histórica marítima da cidade de Sines.
Os Prémios IHRU, na sua segunda edição, distinguem imóveis e conjuntos urbanos nas vertentes Construção e Reabilitação.
O júri é composto por representantes do IHRU, do Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), da Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas e das ordens dos Arquitectos e dos Engenheiros.
Além da categoria em que o conjunto urbano do Castelo de Sines venceu, foram atribuídos mais quatro prémios e oito menções honrosas nas categorias “Promoção Municipal e Regional”, “Promoção Privada”, “Promoção Cooperativa”, “Reabilitação Isolada de Imóveis” e “Reabilitação ou Qualificação de Espaço Público”.
O município de Sines já tinha sido agraciado com a versão anterior do prémio (Prémio INH – Instituto Nacional de Habitação), que em 2005 distinguiu o Bairro Municipal da Floresta como o melhor projecto candidatado na categoria “Promoção Privada”.
A cerimónia de entrega dos Prémios IHRU 2009 realiza-se no dia 4 de Dezembro, em Lisboa.

12.09.2009

Sessão de esclarecimento sobre a linha ferróviaria Sines-Grândola Norte II


Sessão de esclarecimento sobre a linha ferróviaria Sines-Grândola Norte

Da Associação REVER recebemos o seguinte comunicado, que transcrevemos, apelando à participação na sessão de esclarecimento que irá decorrer nas Relvas Verdes na próxima Sexta feira, dia 11 ás 21 horas.
É necessário que tenhamos toda a informação sobre um projecto que poderá alterar significativamente esta região.
Um facto é claro: quase todos os grande projectos tem passado ao lado, deliberadamente, da opinião e conhecimento das populações. Esperemos que não aconteça isto com mais este.

"A ASSOCIAÇÃO PROTECTORA DO MONTADO CONTRA A FERROVIA RELVAS VERDES/ GRÂNDOLA NORTE (REVER) é uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída como resposta à projectada linha ferroviária de mercadorias Sines - Grândola Norte.
O seu objectivo genérico é proteger, defender e valorizar a fileira do montado de agressões externas e da sua destruição pela acção humana, numa perspectiva ambiental, social, económica, interdisciplinar e integrada.
Igualmente promovendo e apoiando no âmbito local, regional, nacional e internacional, programas de acção, iniciativas e actividades que visem fomentar a Intervenção Social e Comunitária no sentido de apontar alternativas e evitar a decisão de construção da projectada linha ferroviária Sines/Elvas, no troço Relvas Verdes – Grândola Norte.
No entanto, e particularizando, existem muitos mais factores que justificam o nosso esforço e o desejo de abranger o maior numero de pessoas neste movimento popular.
A execução deste traçado irá ter um impacto fortemente negativo, que partindo do Porto de Sines e inflectindo na zona das Relvas Verdes para Norte irá desenvolver-se entalado entre Santiago e Santo André, prosseguir cortando entre os montados da serra e as planuras lagunares de Santo André e Melides, contornando os montados da Serra de Grândola.
Tentando elencar alguns dos aspectos negativos podem-se considerar que:
É um longo traçado em paisagem valiosa e que implica um alto custo em expropriações;
Destruição directa de cerca de 10.000 sobreiros, espécie protegida de alto valor comercial, paisagístico e ecológico
Destruição indirecta de um numero desconhecido de outros sobreiros pela devastação da sua envolvente, corte do suporte biofísico e ambiental;
É ecologicamente negativo como contraforte por detrás da área lagunar de grande importância para a avifauna;
É indesejável por cortar a ligação Santiago-Santo André e todas as ligações de Grândola ao litoral.
Corta ao meio diversas povoações como Vale Figueira ou Bairro do Isaías;
Não é aceitável ao lado do Hospital Regional;
Não é recomendável ao longo do Badoca Park;
Destrói centenas de habitações, algumas delas centenárias, ou outras de arquitectura de “autor”;
Acaba com várias unidades produtivas, que são o único sustento dos seus proprietários;
Danifica irremediavelmente as Quintas Históricas classificadas dos Escatelares – Santiago do Cacém;
Arrasa duas estações arqueológicas;
É um desastre político por voltar as costas ao Baixo Alentejo e conduzir o comboio por detrás do "biombo" das serras em direcção a Lisboa e Madrid;
É muito negativo para Ermidas/Alvalade por não considerar esses espaços como entrepostos tradicionais a desenvolver;
Não facilita a possibilidade de virar o crescimento logístico, empresarial e industrial de Sines para o interior, perpendicularmente à costa, estimulando um crescimento longitudinal;
Afasta Beja e o seu aeroporto do Porto de Sines em perto de 100%, no transporte ferroviário (de 80 km para cerca de 160 km);
Afasta igualmente o Algarve, nomeadamente Faro, de 220 km para 300 km;
Para minimizar os inconvenientes teria de prever túneis e viadutos que saem certamente muito caros;
Um dia teria de se pensar num novo ramal para ligar ao Algarve, o que agravava ainda mais as despesas a longo prazo;
E um dos aspectos mais negativos é a forma como o processo tem sido conduzido, no maior dos segredos, com um total desprezo pelas populações locais, agentes económicos e sociais, agricultores, instituições e autarquias.
A informação que existe é escassa, enganosa e não esclarece os desígnios e situação do processo.
A ASSOCIAÇÃO PROTECTORA DO MONTADO CONTRA A FERROVIA RELVAS VERDES/ GRÂNDOLA NORTE (REVER) não é contra a ligação ferroviária e está perfeitamente ciente da necessidade de escoamento das mercadorias de Sines e da ligação transversal ao interior do Alentejo e a Espanha.
Num altura de grandes dificuldades económicas e existindo já uma ferrovia que poderia ser beneficiada e alterada em troços pontuais, julgamos que seria um enorme dispêndio financeiro a execução deste troço totalmente novo.
Cremos que não foram estudadas as diversas opções, não houve uma reflexão profunda nem avaliadas as alternativas existentes.

Contactos:
aprotectoramontado@gmail.com

http://reveraferrovia.blogspot.com

96 569 2999/91 7344 202/96 806 0097"

11.30.2009

O novo IP8 chumbado pelo Tribunal de Contas

Depois de grande pompa e da visita de José Sócrates para re inuagurar as obras (que continuam a não se ver) o Tribunal de Contas recusou o visto à Estradas de Portugal para o contrato de concessão da auto-estrada do Baixo Alentejo.
Depois de ter recusado o visto aos contratos de concessão das auto-estradas Transmontana e do Douro Interior, no início do mês de Novembro, o Tribunal de Contas "chumbou" também o contrato de concessão da auto-estrada do Baixo Alentejo.
O Tribunal de Contas considerou que o contrato de concessão da auto-estrada do Baixo Alentejo pela Estradas de Portugal a um consórcio liderado pela empresa Edifer não apresenta um "comprador público", para demonstrar que a parceria público-privada (PPP) é a mais adequada, e na proposta final há um agravamento dos custos em relação à proposta inicial.
Nessa visita José Sócrates afirmou que seriam criados mais de 8.000 postos de trabalho.
Fazendo as contas, para pouco mais de 100 quilometros, dá para colocar uma pessoa cada 0,125 metros a contar carros.
Agradecemos que nos seja explicado como uma simples autoestrada vai criar tantos postos de trabalho, ainda mais que parte dela não é portajada (de Sines ao Roncão)!
Outro facto curioso diz respeito aos proprietários confinantes e atravessados por esta estrada.
Até agora, ninguém foi notificado, expropriados ou avisado do que iria acontecer.
Fazer uma estrada sem expropriar terreno...não sabemos como é!
Ficamos à espera de cenas dos próximos capítulos.

Dá que pensar

A População portuguesa estagnada com o interior cada vez mais desertificado!
O Instituto Nacional de Estatística (INE) conta 195 municípios que perderam população no último ano. Quase todos estes casos ficam no interior do país. Na grande maioria, a perda de pessoas deve-se a resultados negativos na taxa de crescimento natural, ou seja, mais mortes do que nascimentos.
Ao contrário do interior, a maioria dos municípios do litoral viram a população aumentar em 2008 - o litoral alentejano é uma excepção!!!
Dá que pensar que uma região com estas potencialidades, com uma relativa qualidade de vida, onde foram ( e são) feitos grande investimentos para criar industria e serviços, aumentou o turismo e o resultado é o descréscimo da população!??
Algo se passa, algo está mal explicado, algo merece uma reflexão profunda.

11.11.2009

Via Algarviana ruma a Norte, a Santiago do Cacém

A Via Algarviana (VA) prepara-se para se expandir e servir de ligação a outras rotas pedestres nacionais e europeias.
Além de continuar a trabalhar com a Federação de Campismo e Montanhismo de Portugal para fazer a ligação a Espanha, a Almargem, entidade gestora da VA, tem agora em carteira um novo projecto com a associação Casas Brancas.
A ideia passa por associar VA às rotas vicentinas, num percurso que ligará o Cabo de São Vicente a Santiago do Cacém. O projecto está integrado no Provere e deverá ter início em 2010. À Almargem competirá a marcação do terreno em território algarvio, enquanto a parte alentejana ficará a cargo da Casas Brancas.
Mais notícias em http://www.barlavento.online.pt/index.php/noticia?id=37289

11.10.2009

Conferência "Turismo na Península de Setúbal e Alentejo Litoral"

A Escola de Hotelaria e Turismo de Setúbal vai comemorar o seu vigésimo aniversário com um programa de animação destinado a “toda a população de Setúbal”. Segundo Maria João Carmo, directora da escola, o objectivo é o de “promover a escola e sinalizar a sua existência” de forma a possibilitar um futuro percurso “que se pretende diferente e inovador”.
Maria João Carmo afirma que a necessidade de interagir com a comunidade se prende com a sua defesa pessoal “pelas sinergias”, uma vez que acredita “que se faz mais e melhor em conjunto, comparativamente a quando se está só e isolado”. O programa de comemoração começa no dia 11 de Outubro com a “partilha de um bolo de aniversário de vinte metros com a população local, que vai ser transportado pelos alunos da escola até à praça do Bocage, onde também haverá uma degustação de chás e infusões”.
A directora da escola de hotelaria salienta também “a concretização de duas conferências muito interessantes, sob o mote Pensar Verde”. A primeira conferência, marcada para o dia 18, tem como tema “Turismo na Península de Setúbal e Alentejo Litoral” e pretende debater os novos desafios que se colocam actualmente na área do turismo, “nomeadamente as questões ligadas à formação especializada e seu possível valor acrescentado e sustentado”. A directora adianta a participação de “nomes importantes na área do turismo”, destacando-se a presença de Nuno Santos, membro da administração do Turismo de Portugal, e Joaquim Rosa Do Céu, presidente do Turismo Lisboa e Vale do Tejo.

11.04.2009

Silêncio, um projecto inovador no campo da música sacra

O património cultural debate-se hoje, num mundo globalizado e em rápida mutação, com grandes problemas. No que toca a Portugal, esta situação afecta, com particular intensidade, o património religioso, que corresponde a uma parcela esmagadora do nosso universo patrimonial – quase três quartos. A Igreja vê-se hoje a braços com enormes dificuldades para fazer frente a uma situação que, do ponto de vista financeiro e técnico, ultrapassa as suas possibilidades. O Estado, por seu turno, dispõe cada vez de menos recursos para conservar e manter abertos os monumentos, alijando responsabilidades nos municípios, também eles sobrecarregados de encargos. Face ao descalabro que se adivinha para muitos monumentos e obras de arte sacra, a única esperança consiste na mobilização da sociedade civil. Hoje, mais do que nunca, o futuro do património depende da mobilização das comunidades locais. Algo que não se faz com uma varinha mágica.
Foram estas as preocupações que estiveram na origem do Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja (DPHA). Fundado em 1984 pelo então bispo de Beja, D. Manuel Franco Falcão, este serviço, constituído essencialmente por voluntários, inclui um “núcleo duro”, de marcado carácter técnico-científico, com 12 membros, e conta com cerca de duas centenas de colaboradores dispersos pelo vasto território do Baixo Alentejo – Beja é a segunda maior diocese do país em área, mas também a mais despovoada. A luta pela salvaguarda do património faz-se aqui em condições desiguais, uma vez que a desertificação crescente do interior abre a porta a situações de abandono, furto e vandalismo, especialmente em zonas rurais onde já há poucos habitantes. Mesmo assim, tem sido possível recuperar e dar nova vida a muitos monumentos e obras de arte em risco.
Um dos aliados do esforço que está a ser feito para defender as igrejas históricas é, por estranho que isso possa parecer, a música. De facto, o Festival Terras sem Sombra de Música Sacra, uma iniciativa realizada em parceria com a Arte das Musas, a Direcção-Geral das Artes do Ministério da Cultura e os municípios, já vai na sua sexta edição e tem-se imposto por uma programação rigorosa e qualificada. O Festival, hoje uma referência no panorama cultural do país (e da vizinha Andaluzia), visita regularmente os principais monumentos religiosos e, além de assumir uma componente pedagógica de base – cada edição constitui um novo capítulo de uma informal “História da Música” –, dá a conhecer, através de palestras, visitas guiadas e exposições, a arte sacra dos concelhos percorridos. Tendo em conta a grande paixão dos alentejanos pela música, isto significou uma pequena revolução para o património mais esquecido ou negligenciado.
“A arte pode ajudar a devolver aos monumentos a voz de que eles precisam”, salienta José António Falcão, director do Departamento. E acrescenta: “Eis uma reconciliação indispensável, mas que exige vistas largas e um trabalho de fundo.” Num momento em que não se revela fácil o diálogo entre a Igreja e os criadores artísticos, o Departamento acredita na importância de estender pontes e criar espaços de reflexão, o que corresponde, de acordo com os seus responsáveis, a uma tradição enraizada no Alentejo.
Para assinalar o quarto de século de actividade, algo pouco vulgar num meio em que florescem muitas iniciativas destinadas a uma vida breve, o DPHA levou a cabo o projecto Silêncio, que parte da música de matriz cristã para uma aproximação ecuménica, destinada a reunir católicos, ortodoxos e protestantes.
Interpretado pelo agrupamento Sete Lágrimas, a iniciativa assenta na encomenda de seis obras a três compositores contemporâneos: Ivan Moody (n. 1964), Andrew Smith (n. 1970) e João Madureira (n. 1971).
O desafio lançado a estes mestres residiu na composição de duas obras tendo por base a proveniência cultural de cada um deles: uma peça de maior fôlego e outra de carácter mais popular para instrumentos “antigos”. As obras, de carácter sacro e em seis idiomas diferentes, do latim ao russo, assentam em textos do Antigo e do Novo Testamento (Génesis, Lamentações e Paixão) e, complementarmente, de origem popular das distintas proveniências dos compositores. Trata-se de um olhar contemporâneo, em clave ecuménica, sobre as tradições ortodoxa, protestante e católica.
Sete Lágrimas, um consort especializado em música antiga e contemporânea, é, desde 2006, o grupo residente do Festival Terras sem Sombra de Música Sacra do Baixo Alentejo, tendo sido considerado um dos mais relevantes agrupamentos da actualidade nacional pela crítica. Surgido em 2001, conta já com uma discografia assinalável: “Lachrimæ #1” (2007), “Kleine Musik” (2008) e “Diaspora.pt” (2008). Para a interpretação das obras de Moody, Smith e Madureira, associou ao seu dispositivo a soprano húngara Zsuzsi Toth, uma voz reconhecida, pela surpreendente beleza e pela performance clara, mas cheia de cor, no meio da música contemporânea europeia.
Silêncio terá a ante-estreia em Beja, na igreja de Santa Maria da Feira, a 14 de Novembro, pelas 21.30 horas. A estreia realizar-se-á no Centro Cultural de Belém, a 15 de Novembro, pelas 18.00 horas. Este concerto será precedido (17.00 horas) por uma conversa, moderada pelo jornalista António Marujo (do Público), com Ivan Moody, Andrew Smith, João Madureira e o P.e José Tolentino Mendonça. Nas mesmas ocasiões proceder-se-á ao lançamento do CD do projecto, gravado pela Sony na Áustria e editado sob a chancela da MU Records. A iniciativa conta com o apoio da Direcção-Geral das Artes/Ministério da Cultura, do Turismo do Alentejo e da Câmara Municipal de Beja.

10.21.2009

Aldeia solar em Odemira

No Monte Cerro, próximo de Colos (Odemira) estão a ser experimentados vários protótipos tecnológicos para tornar uma comunidade de 50 pessoas auto-suficientes a nível energético.
A Aldeia Solar é um projecto da comunidade de Tamera e vai ser inaugurada amanhã.“A ideia é viver um ano inteiro com esta tecnologia, ver como funciona e encontrar os pontos fracos e fortes, para poder projectar um modelo para a Tamera inteira”, explica Barbara Kovats, coordenadora da Aldeia Solar. O campo de testes conta, por exemplo, com uma estufa multifuncional que, além de permitir o cultivo de alimentos com baixo consumo de água, também aquece óleo vegetal, que é armazenado num recipiente, permitindo assim captar e distribuir o calor entre um motor Stirling, que produz electricidade, e a cozinha. Outro protótipo em testes no Alentejo, região escolhida em parte por ser “rica” em exposição solar, é a bomba de água que funciona apenas com energia solar termal. Junto da cozinha, construída no âmbito do projecto, um grande espelho, com cerca de dois metros de diâmetro, desperta a curiosidade: “É um espelho de foco fixo, que vai reflectir o Sol para um tacho próprio, que aquece água em cerca de 30 minutos”.
O esclarecimento é dado por Fabian Deppner, também membro da Tamera e colaborador no projecto, que explica tratar-se de uma tecnologia antiga, mas ainda usada na Índia, num local onde se cozinha para 30 mil pessoas. Barbara Kovats garante que “estas tecnologias podem adaptar-se a todas as partes da Terra, possibilitando o desenvolvimento regional e a independência das grandes multinacionais da energia”. “É remar um bocadinho contra a maré, mas é exactamente essa a ideia, criar estes modelos alternativos”.
As tecnologias utilizadas na Aldeia Solar foram na sua maioria inventadas pelo alemão Jürgen Kleinwächter, que colabora com esta comunidade residente no Alentejo, a qual acaba por ser o seu “campo de ensaio”.
Até ao momento, em Tamera estão ainda a ser utilizadas as fontes de energia “normais”, à base de combustíveis fósseis, mas com que a comunidade “quer acabar”. Barbara Kovats assegura que, com a Aldeia Solar que vão testar, estão “a meio caminho” para se descomprometer, sendo que “o próximo passo” será encontrar “patrocinadores”, para desenvolver a tecnologia e planear a sua reprodução.
Mais informação em http://www.tamera.org/

10.19.2009

A pedido...

A pedido de algumas pessoas, que se identificaram , foram retirados alguns comentários.
No entanto mantemos o que vem sendo expresso ao longo do tempo neste local: não defendemos nenhum partido, muito menos a CDU.
Desafiamos alguém que encontre nos nossos posts algum comentário a favor da CDU ou de qualquer outro partido.
Os comentários que autorizamos, apenas veiculam os seus autores, muitos deles anónimos, pois como sabem, a liberdade de expressão não é muito tolerada em certas facções e "áreas" da nossa sociedade.
Sabemos que existem pessoas com "mau perder" como também com arrogãncia de vencedor.
Contra os factos dos números não haverá muitos argumentos: Em Santiago do Cacém a CDU ganhou e aumentou a percentagem, o PS e PSD perderam e perderam percentagem.
E Sines os Independentes (SIM) ganharam com maioria, assim como em Alcácer do Sal e Grândola o PS ganhou com maioria., havendo baixas significativas nos restantes partidos.
São factos.
E é natural que não agrade a todos.
Posto isto, e visto que a liberdade de expressão é mal entendida e mal aproveitada, e prova que a responsabilidade democrática não é para todos, não iremos nos próximos tempos, publicar mais comentários ou opiniões politicas sobre o Alentejo Litoral.
Assumimos os nossos erros e iremos avaliar o interesse ou não em continuar com este espaço.
Mas temos a certeza que não existe mais local nenhum onde se possa, na nossa região, enviar comentários, trocar ideias, debater.
E agradecemos a quase todos os que se empenharam na luta autárquica, porque sabemos que a grande maioria estavam nessa luta, nessa troca ideias, por amor às suas terras, por generosidade e por convicção, pedindo desculpa se de algum modo, por comentários que deixamos publicar, foram ofendidos.
Outros, que se introduziram neste combate eleitoral, a pensar nas suas próprias agendas, pedimos que daqui a 4 anos reflictam no que aconteceu e pensam melhor antes de aparecerem.

10.09.2009

Um apelo

Vamos todos votar nas eleições autárquicas do próximo Domingo!

É a ocasião que temos de manifestar a nossa opinião sobre os nossos autarcas, sobre aqueles que governaram ou que vão governar o Alentejo Litoral.

É esta a ocasião de premiar quem fez um bom trabalho, de correr com quem fez um mau trabalho ou de dar oportunidade a quem pretende fazer um novo trabalho.

10.02.2009

Os resultados das legislativas

Os resultados gerais, podendo-se consultar os resultados por concelho e freguesia:

http://www.legislativas2009.mj.pt/territorio-nacional.html#

10.01.2009

Mais um esclarecimento...

Já aqui foi abordado, algumas vezes, a pouca intervenção deste blogue nas eleições autárquicas.
Anteriormente também foi abordado que se promovia o candidadato A ou a força poltica B.
Com vista a evitar esse tipo de comentários ou o eventual favorecimento de algum candidato ou força politica, visto que preferimos não tomar partidos aqui, neste blogue, apenas iremos colocar notícias gerais e óbviamente publicaremos todos os comentários que forem chegando e não sejam ofensivos ou atentatórios, como até agora.
Resta acrescentar que foram desafiadas TODAS as forças politica e candidatos do Litoral Alentejano a utilizar este espaço e a explanar algumas das suas ideias.
Até hoje nada disso aconteceu.
Agradecemos e esperamos que compreendam que preferimos manter uma posição mais neutra, dentro do possível, nesta interessante contenda eleitoral.

9.29.2009

Pela cortiça

Sendo algo que tem muito a ver com a economia local e com o desenvolvimento de um material ecológico, que tanta importância tem na nossa paisagem, na nossa riqueza e no nosso ecossistema, chamamos a vossa atenção para este pedido que nos chegou:
O Museu Guggenheim de Nova Iorque está a preceder a um concurso internacional de Design a que chama COMPETIÇÃO DE ABRIGOS ("Shelter Competition"). Os concorrentes têm de enviar o projecto 3D de um abrigo de acordo com as regras do concurso. Foram admitidos cerca de 600 projectos de 68 países. Dos 600 projectos foram seleccionados 10 finalistas, entre os quais está o projecto do arquitecto português David Mares. É neste projecto que entra a cortiça, aliás a cortiça é mesmo o elemento do qual é feito o abrigo.O "CBS - CORK BLOCK SHELTER " é um abrigo construído na versátil cortiça. Mas como se não bastasse a já honrosa posição de pertencer ao TOP 10 deste concurso neste momento o abrigo de cortiça está em 3º lugar na votação do público. Pf acedam ao site do concurso e votem na cortiça - http://www.guggenheim.org/new-york/education/sackler-center/design-it-shelter/vote-for-shelters!Além do prémio do público, este concurso contempla também um prémio atribuído por um Júri, que será divulgado na Guggenheim Museum’s 50th Anniversary Celebration, no dia 21 de Outubro.

9.23.2009

As pessoas esquecem-se...

A candidatura do PS à Câmara Municipal de Santiago do Cacém, na pessoa de Arnaldo Frade apresentou queixa à CNE por um suposto abuso e recorrer a «meios públicos para promoção de candidatos partidários».
http://sol.sapo.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=148684
Todos nós sabemos que, infelizmente, é pratica comum e pelo que se viu, não nos parece que seja pior ou melhor do que muitíssimas iniciativas semelhantes em diversas autarquias do país.
E em Santiago do Cacém as pessoas já deveriam estar habituadas porque os boletins municipais não são mais do que campanha, em estado continuado, parecendo, os ditos boletins, mais um album de fotografias de Vitor Proença.
O que aguardamos é que o mesmo Arnaldo Frade tenha a mesma iniciativa em relação ao governo do seu partido e ao despudorado abuso e utilização de bens públicos na propaganda de promessas e acções que nunca foram nem serão cumpridas.
As pessoas, ou antes, os politicos esquecem-se...

P.S. D. Carlos dizia que os chefes de estado tinham mais uma doença que as restantes pessoas: o atentado. Nòs acrescentamos: o atentado e a falta de memória, esse sim, um verdadeiro problema de saúde pública que afecta os politicos!

9.18.2009

Os candidatos

Tem aparecido aqui alguns posts sobre os candidatos autárquicos, alguns conhecidos outros desconhecidos, sobre o que pensam ou não pensam, sobre o que fizeram ou o que não fizeram.
Lançamos aqui um apelo: após alguma pesquisa não conseguimos obter as listas completas de todos os partidos concorrentes no Litoral Alentejano.
Também os nosso pedidos de esclerecimentos não foram atendidos.
Gostariámos de ter aqui todos os candidatos às Câmaras Municipais, Assembleias Municipais e Juntas de Freguesia, com os respectivos programas, ideias, acções, biografias, etc, esperando tornar assim a troca de ideias mais clara e esclarecedora.

9.16.2009

Alguém sabe dos PDM´s?

Houve grande agitação acerca da revisão dos PDM's por parte das Câmaras Municpais de Sines e Santiago do Cacém e Alcácer do Sal também iria dar início ao processo.
Pelos visto, agora que se aproximam as eleições autárquicas, este processo, que aliás, deveria ser um dos pontos chaves das propostas dos vários candidatos, parece que foi esquecido. Ou pelo menos pararam, pelas informações que conseguimos recolher em Sines e Santiago do Cacém.
É uma pena.
Pelos visto serão mais uns tantos anos para rever un intrumento de gestão e ordenamento territorial da maior importância.

8.25.2009

Câmara Municipal de Sines compra edifícios no Centro Histórico

O município de Sines aprovou a compra de dois dos edifícios mais importantes do centro histórico da cidade e o inicio da obras de requalificação da estrada de Porto Covo.
Trata-se do edifício dos antigos correios, na Praça Tomás Ribeiro, e do edifício do antigo Museu Arqueológico de Sines, na Rua Francisco Luís Lopes.
O edifício dos antigos Correios, foi adquirido pelo valor de 260 mil euros enquanto que o o antigo Museu ( a casa do José Miguel da Costa, criador e grande impulsionador do Museu, e a quem siens muito deve) custou aos cofres da autarquia 319 400 euros.
A aquisição dos antigos Correios permitirá a instalação dos serviços do Julgado de Paz e da Loja do Cidadão e o segundo integra-se nos objectivos do Plano de Pormenor de Salvaguarda da zona histórica. A importância da reabilitação do edifício para equipamento colectivo encontra-se sinalizada no programa de Acção para a Regeneração Urbana de Sines, cuja candidatura foi aprovada em Julho.
Foi também aprovado o lançamento do concurso para a reabilitação e reperfilamento da Estrada Municipal 554, que liga a estrada nacional entre Morgavel e Porto Covo,.
A Câmara decidiu atribuir “prioridade máxima” à empreitada depois de ter sido aprovada a candidatura a fundos comunitários.A nova estrada terá um perfil de 8m de largura e capacidade para a circulação de veículos ligeiros e pesados, prevendo-se a sua conclusão antes do início da próxima época balnear.
Consideramos que são boas iniciativas, apesar da função do antigo Museu não estar ainda definido, mas é um edifício de qualidade e que representa bastante na história de Sines.
Esperamos que a nova função dos antigos Correios venha trazer mais vitalidade e pessoas ao centro histórico e que sirva para motivar e modernizar o comércio nas imediações, que se encontra parado no tempo, e que sendo uma das zonas mais centrais e mais visitadas de Sines, não se compreende esta letargia e desinteresse dos lojistas.
Sobre a questão da estrada, que liga Porto Covo à EN 120-4, peca por tardia, pois liga a um dos destinos turísticos mais visitados do Concelho de Sines e do Litoral Alentejano, e que desde há muito tempo apresentava um estado de degradação e perigosidade vergonhoso para o Concelho e região.

7.29.2009

Sessão sobre os impactos negativos da Ferrovia Sines_Grândola Norte

Vimos convidar todas as pessoas que se interessam pela nossa região, pelo seu desenvolvimento, pela sua paisagem, pela sua riqueza, pelo seu ambiente e pelo seu dinheiro a participar numa sessão-debate sobre "Os Impactos Negativos do Novo Traçado da FerroviaSines-Santiago-Grândola no Alentejo Litoral" que se realiza no próximo dia 29/07/2009, pelas 21h30 no Auditório Municipal "António Chainho" em Santiago do Cacém.
Trata-se de uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal de Santiago do Cacém e que na qual estarão presentes, entre outros, Vítor Proença - Presidente da Câmara Municipalde Santiago do Cacém, Carlos Beato - Presidente da Câmara Municipal de Grândola,Francisco Santos - Presidente da Câmara Municipal de Beja, Professor Manuel CostaLobo - Instituto Superior Técnico, Professor Fernando Nunes da Silva - Instituto Superior Técnico e Especialista em Transportes e Acessibilidades, Professor Augusto Mateus - Consultor em Estratégias de Desenvolvimento, bem como a AssociaçãoProtectora do Montado Contra a Ferrovia Relvas Verdes - Grândola Norte.
Sendo urgente a concretização desta Ferrovia para mercadorias em velocidade alta, pretende-se com esta iniciativa discutir as alternativasde traçado aos corredores de atravessamento propostos pela Refer e no entender de muitos prejudiciais ao desenvolvimento da Região do Alentejo Litoral e sua complementaridade com Beja, bem como nos dois municípios mais afectados: Santiago do Cacém e Grândola.

7.16.2009

Ele ai está...

Já começou o melhor festival do Alentejo Litoral:
O Festival Musicas do Mundo em Sines ( e este ano também em Porto Covo).
É a prova de como se conseguem fazer excelentes iniciativas na nossa região, é a prova de que, com originalidade e qualidade, se consegue colocar esta região no mapa, é a prova de que ainda se conseguem fazer eventos interessantes.
Todas as informações em http://fmm.com.pt/ e lá nos encontraremos!

7.13.2009

Agitação autárquica

Depois da agitação em Sines, que promete ser um caso a seguir com atenção nas eleições autárquicas, tanto a nível de debate prévio e ideias futuras como a nível de resultados, sugre agora outro foco de interesse em Alcácer do Sal João Massano é o novo cabeça-de-lista do PS à câmara de Alcácer, com a nomeação de João Massano, presidente da comissão concelhia política de Alcácer do Sal, para cabeça de lista do PS à câmara municipal daquela cidade.
Depois de Pedro Paredes, o actual presidente, lhe ter retirado todos os pelouros por, alegadamente, existirem “métodos de trabalho diferentes entre o vereador e a restante equipa”, João Massano perfila-se agora como novo candidato, ao angariar doze votos, em catorze possíveis, numa votação em que “a esmagadora maioria dos membros da comissão votaram a favor da lista encabeçada pelo actual vereador”.
Apesar de não querer falar ainda sobre este assunto, dado que a “tomada de posição da concelhia ainda é bastante recente”, João Massano conseguiu a maioria dos votos na “participada reunião da comissão concelhia política” que aprova, nos termos 41.º e 91.º dos estatutos do partido, as listas dos candidatos aos órgãos autárquicos do respectivo concelho. Vítor Ramalho, presidente da distrital, garantiu que a “direcção do PS e a federação, em conjunto, vão tomar ainda uma posição pública sobre o assunto”.
Fonte próxima de Pedro Paredes alega, por sua vez, que este ainda “não reuniu a informação necessária para se pronunciar perante a comunicação social”.
António Balona, candidato pela CDU à câmara alcacerense, sublinha, por sua vez, que as suas propostas eleitorais e o plano estratégico do seu partido “se manterão”, escusando-se a fazer mais comentários sobre a situação interna que se vive no PS de Alcácer do Sal. Ainda assim, nota que “sempre” constatou que “havia uma total descoordenação e ausência de trabalho em equipa” entre o actual presidente, Pedro Paredes, e o vereador João Massano.
Dois concelhos a seguir com atenção, visto que nos outros será pouco mais do mesmo.

Alguns esclarecimentos (novamente...)

No seguimento de alguns posts vimos novamente esclarecer algumas questões relacionadas com este blogue.
Relembramos que este blogue é feito por algumas pessoas que dedicam algum do seu tempo a colocar algumas notícias sobre o Litoral Alentejano.
Não pretendemos cobrir todos os assuntos que se passam na nossa região.
Não podemos colocar todas os factos que aqui tem acontecido.
Ou por manifesta falta de tempo, pois não somos bloggers profissionais, mas sim profissionais em outras áreas que dedicam algum tempo ao blogue ou porque procuramos dar algum destaque a notícias ou factos que tem menos espaço nos media ou que passam desapercebidas.
Sabemos que o voluntarismo e a boa vontade de alguns não pode agradar a todos, mas reafirmamos uma coisa: este blogue não é para promover o partido A ou B, a pessoa C ou D, mas sim para promover e valorizar a nossa região, o Alentejo Litoral.
Voltamos a colocar aqui o mail para, quem quiser, enviar informações, notícias ou artigos que se possam enquadrar neste espaço: Alentejo_SW@hotmail.com, como aliás alguns leitores já o tem feito.
Mais uma vez afirmamos que não somos veículo de promoções pessoais ou intitucionias ou agente de forças políticas!

7.08.2009

LPN contra proposta de novo Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina

A Liga para a Protecção da Natureza (LPN) considerou hoje que a proposta de um novo Plano de Ordenamento do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina põe em risco as espécies e os habitats e “viola directivas internacionais”.
“A ser posta em prática a actual versão, que ainda é uma versão de trabalho deste plano, consideramos que ficam em risco os objectivos do parque e as espécies, os habitats e a paisagem”, afirmou Francisco Moreira, da direcção nacional da LPN.
Em declarações à agência Lusa, o dirigente ecologista disse que a LPN "pretende evitar que algumas das normas que existem neste plano sejam efectivamente postas em vigor”.“Tão graves são que podem levar à destruição de espécies e habitats protegidos por directivas comunitárias. Daí a nossa intenção de informar a Comissão Europeia, caso esta proposta vá para a frente, para a violação de directivas internacionais”, avançou.
A Liga "pretende alertar a opinião pública, a sociedade e também a União Europeia relativamente ao que se passa com a proposta que está em cima da mesa para o Plano de Ordenamento do Parque”, disse, aproveitando o Dia do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), que se celebra hoje.
O dirigente da LPN considerou ainda que a actual proposta “recua” em relação ao Plano que está em vigor e “sugere que os valores naturais do parque podem ficar em risco”, identificando “a pressão turística” e a “rega na agricultura” dentro do Parque como “dois problemas graves”.
“O Parque tem dois problemas graves, entre outros, que têm a ver com a pressão turística no litoral e com a existência do perímetro de rega na agricultura dentro do Parque”, afirmou Francisco Moreira.“Nos últimos anos temos assistido a uma proliferação de aprovações de empreendimentos turísticos em áreas sensíveis e extremamente valiosas para a conservação da biodiversidade, como o Espartal e o Martinhal, a uma aposta continuada em práticas agrícolas intensivas de regadio e a um fechar de olhos à delapidação dos recursos marinhos”, alertou a LPN, em comunicado.
Segundo Francisco Moreira, “as propostas deste plano hipotecam as possibilidades de salvaguardar a conservação da natureza na área do Parque”.
Para a Liga, o futuro do PNSACV deve passar “pelo reforço” de medidas de protecção da natureza e da biodiversidade e pela “atribuição do estatuto de Parque Nacional”, numa zona que classifica como “uma das mais importantes áreas naturais costeiras do Sul da Europa”.
A LPN considera que o novo Plano de Ordenamento deve “impossibilitar a construção de empreendimentos turísticos fora dos perímetros urbanos” e “rejeitar a instalação de novos campos de golfe e de parques eólicos”.“Conciliar as práticas agrícolas com a conservação dos valores naturais”, “aumentar a área de Protecção Total” e “aumentar as áreas de protecção marinha para um mínimo de 30 por cento” são outras medidas que a Liga defende que devem constar no Plano de Ordenamento.
O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina estende-se entre a ribeira da Junqueira, em São Torpes, e a praia de Burgau, no Algarve, abrangendo os concelhos de Sines, Odemira, Aljezur e Vila do Bispo.
Ao ler esta opinião da LPN, difundida pela Lusa, ficamos um pouco confusos, porque se ouvirmos a opinião das autarquias, são contra esta versão do Plano, porque limita grandemente a construção e os novos empreendimentos. Se ouvirmos os agricultores, são contra a versão do Plano porque os limita nas suas práticas culturais, nas limpezas de mato e na possibilidade de alteração de culturas. Se ouvirmos os pescadores e afins, estão contra esta versão do Plano, porque limita as quantidades de pesca e as zonas a pescar.
Enfim, achamos que esta proposta de plano tem uma virtude: está toda a gente contra!
E apenas gostariamos que "o" Plano, aquele que venha a ser o definitivo tivesse em conta que as posições extremas apenas prejudicam o outro lado.
Ambientalistas versus quem vive no e do Parque Natural, autarcas versus quem gosta e aprecia a qualidade excepcional desta zona, etc.

7.02.2009

Descobrimos....

Agradecemos a ajuda de um participante deste blogue, que nos enviou a razão porque o Hotel Caminhos de Santiago vai receber uma medalha municipal... e se calhar também deveriam dar uma medalha à Ana Malhoa!

Esperemos que os restantes participantes não fiquem incomodados com esta notícia....porque o tom não pode ser sempre carregado e de crítica!

A ferrovia




6.22.2009

"Gorjetas"

A exemplo do 10 de Junho, onde são distribuídas condecorações e ordens ("gorjetas" como alguém dizia em tempos) mas com a vantagem de estas serem conhecidas e públicas e não "gorjetas" escondidas nas negociatas que nos habituamos a presenciar, a Câmara Municipal de Santiago do Cacém resolveu ressuscitar as Medalhas Municipais ( eleições, a quanto obrigas) e arranjou uma lista extensa de pessoas e entidades a agraciar.
Da lista, que pode ser consultada em:
http://www.cm-santiagocacem.pt/Actualidade/Noticias/Paginas/CamaraatribuiMedalhasdeHonraeMeritoporocasiaodascomemoracoesdoDiadoMunicipio.aspx
e retirando 7 ou 8 nomes, grande parte deles são "agraciados" por méritos ou afinidades políticas, mais do que empenho ou valorização do Concelho e da região.
Era muito bom que a Câmara Municipal se apressasse a divulgar as biografias dos agraciados e os motivos que conduziram a tal distinção, porque, para nós, existem, nesta lista, "gorjetas" inexplicáveis.

6.18.2009

Candidatos alternativos II

A questão dos candidatos independentes, ou alternativos, que foi aqui lançada, foi de procurar saber se existem personalidades de valor para comandar os destinos das nossas terras, sem estarem agarrados a nenhuma força politica.
Entenda-se que não achamos que todos os politicos ou candidatos autárquicos apoiados por forças política são maus ou ineficazes.
Achamos que a sociedade civil, a população em geral, devia estar mais envolvida e mais participativa.
Ser mais fácil essa hipótese de existerem alternativas independentes.
Esse foi o intento desta "provocação".
E ao mesmo tempo realçar os capitais humanos da região.

6.15.2009

Candidatos alternativos

Fazemos hoje aqui uma sugestão e um desafio: Quem, dentro dos nossos concelhos, poderia ser um candidato autárquico independente, na verdadeira acepção da palavra?
Esqueçamos os politicos de profissão, os interesseiros, os aparelhistas e pensemos em pessoas que gostem das suas terras, dos seus concelhos, que tenham um bom percurso profissional, que não precisem da política para subir, trabalho feito em prol dos outros.
É um desafio interessante...

6.04.2009

Agora é o comboio II

Aqui estão mapas secretos...com melhor definição!
Quem não consiga visualizar poderá carregar com o botão do lado esquerdo do rato e salvar o documento.


Agora é o comboio I

Ainda não tinhamos acalmado depois de mais uma ameaça à zona dos Escatelares, em Santiago do Cacém, eis que surge mais uma...o novo traçado da linha Sines-Grândola!
Se estamos lembrados começou pelo hipotético traçado do IP8, depois pela variante do hospital do Litoral Alentejano e agora é a linha de comboio.
Começamos a pensar que existe alguma perseguição a esta zona!
O problema inicial reside na asfixia do porto de Sines em relação à saida de mercadorias pela via férrea, que tem alguma sinuosidade e inclinação entre Santiago e Ermidas, e que implica duas locomotivas.
Este problema resolvia-se com a construção de um túnel ferroviário neste troço.
Acontece que, como somos um país de fartos recursos, muito grande e pouco massacrado com estradas e obras públicas, algumas cabeças pensantes, sentadas em Lisboa, resolvem que o melhor é fazer uma nova via férrea!
Bom...as sugestões do traçado falam por si e deixamos à consideração das pessoas o impacto que isto irá causar, mas adiantamos já algumas observações:
Irá afectar o hospital doLitoral Alentejano, práticamente passando por cima!
Na zona das Relvas Verdes onde se localizará o nó do IP8 e da variante aohospital, ainda vai ter mais este nó rodoviário (será que vai sobrar algum espaço?)
Os traçados entram pela zona das Quintas Históricas, Vale Rainha, Vale de Grou, Badoca, Santa Cruz, Pedrógão, em cima da zona de abastecimento freático da Lagoa de Santo André, passa ao lado de Melides, contorna a Serra de Grândola e entronca na linha do Sul.
Vai rasgar os concelhos de Santiago do Cacém e de Grândola, criando uma barreira entre o interior e litoral (não esquecer que estamos perante uma linha de transporte de mercadorias de alta velocidade, com uma cadência de varios comboios por hora!).
Outra observação e talvez a mais chocante: o secretismo com que isto tem vindo a ser planeado. As autarquias pouco sabem, os locais na ignorância total, o muro de silêncio quando se pergunta as entidades oficiais, o próprio Porto de Sines colocado à margem, o desrespeito total pelas regras democráticas de transparência, de respeito ambiental e pelo dinheiro público.
É tempo de as populações locais e entidades regionais tomarem uma posição de força e impedir este verdadeiro abuso e a destruição de uma parte importante da nossa região.
Sigamos o exemplo do Presidente Beato e esperemos que outros tomem idêntica atitude!
http://alentejomagazine.com/2009/05/comboios-so-por-cima-do-meu-cadaver-e-que-se-mantera-tracado-da-linha-sines-espanha-carlos-beato-grandola/
O Litoral Alentejano não tem que sustentar as Motas e Coelhos e os desvarios do governo!

5.26.2009

Inaugurações

Santiago do Cacém inuagurou, no passado Sábado, o seu novo Auditório Municipal, a que foi dado o nome de António Chaínho.
Não podíamos estar mais de acordo e felicitar o Município por esta justa homenagem. António Chaínho é, actualmente o melhor representante da guitarra portuguesa, que toca com uma mestria inigualável.
Este homenagem é devida e merecida a um filho de Santiago do Cacém, mais concretamente de S. Francisco da Serra, que sempre se orgulhou da sua origem alentejana.
E quem esteve presente no concerto pode testemunhar a emoção, a arte, a entrega e o talento do mestre Chaínho, amplamente confirmados pelos seus excelentes convidados em palco e pela numerosa assistência.
No lado oposto da qualidade e talento temos o programa artístico para a Santiagro, com "artistas" bem pagos para "abrilhantar" a festa e encher os olhos de alguns.
Damos como exemplo a inauguração com a presença de Rita Pereira (?)...e as meninas do "Fama Show" que vem "conviver"(?) com os presentes na Santiagro.
Realmente é passar do oito ao oitenta!
Imaginamos que o ego e a testosterona de Vitor Proença vai andar ao máximo, no passeio pela Santiagro acompanhado por estas beldades...só esperamos que não abram a boca!
Outro convidado, e que se pode incluir no estatuto de "artista", é o Ministro da Agricultura,n Jaime Silva, o "coveiro" da agricultura e da floresta nacional.
Esperamos que Vitor Proença o leve a ver as explorações agrícolas desertas ou na falência, os pinhais da região, a serem dizimados pelo nemátodo, após a "excelente" estratégia de erradicação desenvolvida pelo Ministério da Agricultura ou estado de abandono dos milhares de hectares (antigos terrenos do GAS) sob administração do mesmo Ministério!

5.25.2009

Sines...terra de marinheiros e de Vasco da Gama


Sines, Domingo, dia 24 de Maio de 2009, 15.03 min.

Temperatura 24 º, vento 12 nós, mar calmo.

Não se vê uma unica embarcação.

A remos, a motor, à vela!

Sines, terra de marinheiros.

Berço de Vasco da Gama.

Porto de intrépidos pescadores.

Não nos parece e é uma imagem triste de um mar vazio!


5.18.2009

Dia Internacional dos Museus

Hoje é o Dia Internacional dos Museus e comemora-se hoje um pouco por todo o país!
Na nossa região é alheamento habitual...Santiago do Cacêm, com dois Museus, Sines com a nova "Casa de Vasco da Gama" e Grândola e Odemira passam ao lado disto tudo.
Triste!

Sines conquista seis Bandeiras Azuis em 2009

Em 2009, a Bandeira Azul foi atribuída a todas as praias do concelho de Sines que concorreram ao galardão. Vasco da Gama, candidatada pela Administração do Porto de Sines (APS), São Torpes, Morgavel, Vale Figueiros (Vieirinha), Grande de Porto Covo e Ilha do Pessegueiro, candidatadas pela Câmara Municipal de Sines, foram as seis praias distinguidas pela elevada qualidade, tornando Sines no segundo concelho do Alentejo com mais zonas balneares de Bandeira Azul.
A Marina de Sines, sob a responsabilidade da APS, foi também distinguida com a Bandeira Azul na categoria Portos e Marinas."Os resultados da candidatura de 2009 são muito positivos e significam que temos em Sines praias de excelente qualidade em todos os parâmetros avaliados, designadamente na qualidade da água e areal e infra - estruturas de apoio, o que é muito importante para o sucesso da estratégia turística do município", adianta Marisa Santos, vereadora na Câmara Municipal de Sines com o pelouro do Turismo. A autarca realça ainda a reconquista da Bandeira Azul para a praia de Vale Figueiros, "uma praia com magníficas condições naturais e que o ano passado, apenas devido a questões administrativas, não havia sido galardoada".
A atribuição da Bandeira Azul a uma praia traduz o respeito por critérios como a qualidade da água, informação e educação Ambiental, gestão ambiental e de equipamentos e segurança. Em relação aos portos de recreio, este galardão significa a observância de critérios referentes à qualidade do Porto, à gestão do Porto e informação e à educação ambiental e segurança. A verificação destes critérios é efectuada por um Júri Nacional constituído por 25 entidades do sector público e privado, sendo o resultado desta análise escrutinado ainda por um Júri Internacional.

5.14.2009

Encontro Nacional de Municípios com Centros Históricos

Em Beja irá decorrer mais um debate sobre centros históricos.
Promover a discussão sobre os novos rumos e métodos a utilizar para revitalizar os centros históricos das cidades portuguesas é o grande objectivo do Encontro Nacional de Municípios com Centros Históricos que Beja acolhe a partir da próxima quinta-feira, 14.
Até sábado, dia 16 de Maio, um vasto leque de oradores nacionais e internacionais vão abordar a temática, sendo que na conferência de abertura do encontro vai estar a investigadora francesa Françoise Choay, reputada autora de inúmeras obras sobre o tema, entre as quais a Alegoria do Património.
Do programa da iniciativa, destaque também para uma mesa redonda entre nove especialistas de diferentes áreas, “gerida” pelo jornalista da TVI, Júlio Magalhães.
Espera-se que os municípios do Alentejo Litoral estejam presentes e que os nossos centros históricos possam beneficiar desta troca de experiências e saberes.
Mais detalhes em http://14encontrodemunicipios.pt.vu/.

5.10.2009

Nova sugestão para Sines


Uma sugestão para se visitar no Centro Cultural Emmerico Nunes, que continua ano após anos a apresentar programas de qualidade, sendo um agente cultural de grande importância na nossa região.

5.06.2009

Feira do Ambiente em Sines

Chamamos a atenção para esta iniciativa, promovida pela Câmara Municipal de Sines, que cada vez mais faz sentido no tempos que correm e nesta nossa região.
Pena que não se dê o enfoque á relação Ambiente/Turismo!
Aqui fica a sugestão para a próxima edição.
Igualmente chamamos a tenção para o sessão temática sobre Ambiente,no âmbito da revisão do PDM de Santiago do Cacém, no proximo dia 12 de Maio na casa do Povo de Alvalade: http://www.cm-santiagocacem.pt/Actualidade/Agenda/Paginas/DestaquePDM.aspx


"Feira de Ambiente 2009

Integrada no Plano de Educação Ambiental 2008/2009, a Câmara Municipal de Sines organiza, entre 5 e 10 de Maio, no Centro de Artes de Sines, a segunda edição da Feira de Ambiente. O objectivo do evento é consciencializar os cidadãos para os principais problemas ambientais que se colocam actualmente. Estão previstos dois workshops, a realizar nos dias 5 e 6 de Maio, subordinados aos temas “Ambiente, Saúde e Território” e “Ambiente, Reciclagem e Energia”. Paralelamente, existirá uma área com cerca de vinte expositores onde vão estar representadas empresas/entidades ligadas à área de ambiente, que irão mostrar as suas iniciativas e estratégias neste âmbito.Apesar de o evento ser de interesse transversal a toda a população, define-se como públicos-alvo preferenciais os adultos em idade activa e os jovens em idade escolar, tendo em conta o seu interesse no tema e a especial capacidade de incorporação de novos hábitos e comportamentos. A Feira de Ambiente está aberta, nos dias úteis, nos períodos 10h00-13h00 e 14h00-20h00. Aos fins-de-semana, pode ser visitada entre as 14h00 e as 20h00.Poderá fazer a sua inscrição para os workshops através do numero de telefone 269860000 ou por e-mail para
esilva@mun-sines.pt.
Expositores já confirmados
- Recipneu
- Lavoisier
- Valormed
- Sociedade Ponto Verde - Amb3e
- Blindesign
- Quercus
- Sadilar
- Regi, EIM
- Matrec- Remade
- Valorsines
- Sines Tecnopolo
- Tecmic
- BPM Gás/Bosh"

4.16.2009

Seminário "Santo André - Uma cidade para a Indústria"




A Ordem dos Arquitectos-Secção Regional Sul organiza um seminário e uma visita guiada sobre o urbanismo de Santo André, a 18 de Abril.

O seminário (9h-13h) tem lugar nas instalações do Instituto Piaget de Santo André e prevê conferências de:

Guilherme Câncio Martins (10h – O complexo portuário industrial de Sines)

Francisco Silva Dias (10h45 – O plano de urbanização)

Luís Vassalo Rosa (11h45 – Terceira fase do plano), com moderação de Michel Toussaint.


Ás 15h30 inicia-se uma visita guiada a Vila Nova de Santo André pelos arquitectos Francisco Silva Dias e Michel Toussaint. A iniciativa pretende debater um «exemplo com relevância no urbanismo português dos anos 70 do século XX», a intervenção arquitectónica e urbanística com papel decisivo em Santo André. No centro do debate estão o desenvolvimento urbano da vila, os conceitos fundamentais que contribuíram para o seu crescimento e a troca de ideias entre profissionais de áreas diferentes que influenciam o urbanismo. O Conselho Regional de Admissão deliberou atribuir um crédito à participação no seminário e um crédito à participação na visita guiada para efeitos de formação obrigatória em temáticas opcionais

Segue-se o programa do próximo dia 18 de Abril «Santo André – Uma cidade para a Indústria»

9h - Recepção Participantes

9,30h - Abertura Sessão Arquitecto José Manuel Rodrigues, Ordem dos Arquitectos-Secção Regional Sul e Victor Proença, presidente da Câmara de Santiago do Cacém

10h – Arquitecto Guilherme Câncio Martins - O Complexo Portuário Industrial de Sines

10h45 – Arquitecto Francisco Silva Dias - O Plano de Urbanização

11h30 – Pausa para café

11h45 – Arquitecto Luís Vassalo Rosa - A terceira fase do plano. Moderador – Arquitecto Michel Toussaint

Convidados - Núcleo do Litoral Alentejano, Administração do Porto de Sines e Junta de Freguesia de Santo de André

Local: Conferência no Instituto Piaget de Santo André e visita a Vila Nova de Santo André Instituto Piaget de Santo André (ao lado do Hotel Vila Parque) - Campus Universitário de Santo André, Apartado 38 Tel. 269 708 710

Dia Internacional de Monumentos e Sítios no Alentejo Litoral

Junto divulgamos as inciativas previstas para o Alentejo Litoral.

Mais detalhes em http://www.igespar.pt/DIMS/


Lousal http://www.igespar.pt/DIMS/Programa/Lousal.pdf


Odemira http://www.igespar.pt/DIMS/Programa/Odemira.pdf


Santiago do Cacém http://www.igespar.pt/DIMS/Programa/SantiagoCACEM.pdf

4.09.2009

Uma Boa Páscoa...

....com algumas sugestões de visita:



S. Luis, Concelho de Odemira

Praia de Morgavel, Concelho de Sines




Ruinas romanas de Miróbriga, Concelho de Santiago do Cacém






4.06.2009

Notícias curiosas!

Dos "media" locais retiramos, com a devida vénia, estas duas noticias:
Reserva Natural do Estuário do Sado: Autarca de Grândola é o novo Presidente.
Paulo do Carmo, actual vereador do Município de Grândola com o pelouro do Ambiente, foi nomeado, por unanimidade, Presidente do Conselho Estratégico da Reserva Natural do Estuário do Sado (RNES), recentemente.
Este Conselho é um órgão do Instituto da Conservação da Natureza e Biodiversidade, que tem como objectivos contribuir para o aprofundamento do conhecimento das necessidades em matéria de conservação da natureza da área protegida em causa.
Este organismo tem também como objectivo formular propostas de solução para os problemas identificados e promover a discussão ao nível local dos problemas que afectem a RNES.Os Municípios de Setúbal, Palmela, Alcácer do Sal, Grândola integram o Conselho Estratégico da RNES.
Outros organismos que fazem parte do Conselho são a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo e de Lisboa e Vale do Tejo; Instituto Nacional dos Recursos Biológicos; Turismo de Portugal; Capitania do Porto de Setúbal; Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra, S.A, entre outros organismos.
e

Manuel Coelho eleito presidente do Conselho Estratégico do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina
O presidente da Câmara Municipal de Sines, Manuel Coelho, foi dia 31 de Março, eleito presidente do Conselho Estratégico (CE) do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), em reunião do próprio órgão, realizada em Odemira.
O CE do PNSAVC é um órgão consultivo do Instituto de Conservação da Natureza e da Biodiversidade (ICNB), cabendo-lhe apreciar as propostas de planos e os programas anuais e plurianuais de gestão e investimento com incidência no parque, apreciar os relatórios anuais e plurianuais de actividades, apreciar relatórios científicos e culturais sobre o estado do parque natural e apreciar e dar parecer sobre qualquer outro assunto com interesse para o PNSAVC.O órgão é composto por um representante do ICNB, representantes designados pelas instituições científicas e especialistas de mérito comprovado nos domínios da conservação da natureza e da biodiversidade e representantes designados pelos serviços da administração central, câmara municipais, juntas de freguesia e organizações não governamentais de ambiente.

Estranho!
Algo estará a mudar?
Mais betão nas paisagens protegidas?
Ou uma maior consciencialização das autarquias?
A ver vamos....

Autárquicas III

Algumas noticias soltas:

Apresentado candidato do PS em Odemira:
A concelhia do Partido Socialista de Odemira apresentou via internet o candidato à Câmara. O PS não pediu a deslocação de ninguém mas convidou a população a aceder à página www.sempreporodemira.com. Conforme foi revelado pela Rádio Pax, José Alberto Guerreiro é o candidato do PS à Câmara de Odemira. José Alberto Guerreiro é casado e tem dois filhos. Aos 45 anos de idade o Vice-presidente da Câmara de Odemira avança com a candidatura à presidência da autarquia presidida por António Camilo.
Será que se zangaram...será que são as acusações que pairam sobre António Camilo...e os restantes partidos?

Intenções programáticas do PS em Santiago do Cacém:
Arnaldo Frade, candidato do Partido Socialista (PS) à Câmara Municipal de Santiago do Cacém, acha que é necessário haver “um esforço maior” para promover a “complementaridade e a coesão” dentro do concelho. De acordo com o candidato socialista, é necessário olhar para o território do ponto de vista da “coesão” e não das “clivagens internas”, pelo que há que fazer com que as “pessoas residentes no concelho se sintam bem a viver em Santiago do Cacém e noutras freguesias”.
“Há que alterar a forma como o próprio território se organiza”, salienta Arnaldo Frade, de modo a reforçar o seu ponto de vista sobre a actual gestão municipal. Para o candidato do PS, a gestão da CDU “não é, globalmente, positiva”, uma vez que existem apenas “algumas intervenções locais a registar, como a inauguração do novo auditório municipal”.
“A visão redutora e radical marca a actual gestão autárquica da CDU”, diz Vítor Ramalho, que faz questão de afirmar também que “a CDU tende a atribuir tudo o que está mal feito ao Governo”, não sendo, por isso, a forma mais “correcta de posicionar a câmara de Santiago do Cacém”. Na opinião do presidente da distrital do PS, Arnaldo Frade é um homem “com uma grande experiência autárquica” e possui “uma enorme sensibilidade para o emprego e para os problemas sociais em geral”.
Para Arnaldo Frade, este desafio foi aceite “numa lógica de estar à frente de um projecto em tudo galvanizador”, que “aposta forte na educação e na qualificação das pessoas do concelho”. Sobre a candidatura de Carlos Pereira Dias, pelo PSD, à Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Arnaldo Frade declara que o candidato social-democrata tem “participado activamente na política local” e que, apesar de os seus projectos políticos serem “distintos”, o relacionamento entre ambos é “excelente”.
De destacar a "grande (??????) experiencia autárquica" de Frade e a piscadela de olho ao PSD.

3.24.2009

Uma iniciativa do Hospital do Litoral Alentejano

Junto divulgamos uma importante iniciativa do Hospital do Litoral Alentejano:
31 DE MARÇO - DIA NACIONAL DO DOENTE COM ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL (AVC)
No dia 31 de Março assinala-se o DIA NACIONAL DO DOENTE COM AVC – ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL.
O Hospital do Litoral Alentejano vai organizar um conjunto de actividades direccionadas à população, a desenrolarem nesse dia, no período das 09h00 às 17h00, no Átrio da Entrada Principal.
Compareçam!
Faremos rastreios de: glicemia, colesterol, tensão arterial, índice de massa corporal, perímetro abdominal.
Zele pela sua saúde!
O Acidente Vascular Cerebral (AVC) provoca a destruição de parte do cérebro, causado pela existência de um coágulo que entope um vaso sanguíneo (Trombose ou AVC Isquémico) ou a ruptura de um vaso sanguíneo provocando uma hemorragia (hemorragia cerebral ou AVC Hemorrágico).
Na actualidade o Acidente Vascular Cerebral (AVC) tem uma grande incidência na população portuguesa e é:
- a principal causa de morte em Portugal;
- uma doença que pode ter consequências graves (alterações da sensibilidade, limitações da mobilidade, alterações visuais, podendo mesmo em casos mais graves tornar-se fatal);
- de origem genética e ambiental, cujos factores de risco permanecem desconhecidos;
- a doença neurológica que melhor se previne.
Os factores de risco que podem estar associados à ocorrência de Acidente Vascular Cerebral (AVC) são:
1 – Hipertensão;
2 – Diabetes;
3 – Colesterol elevado;
4 – Consumo de Tabaco;
5 – Consumo de Álcool em excesso;
6 – Obesidade;
7 – Sedentarismo.
No ano passado o Hospital do Litoral Alentejano, pelo Grupo de Implementação da Unidade de AVC’s e alguns colaboradores, organizou um conjunto de actividades direccionadas aos utentes que decorreram no dia 31 de Março, e que contaram com a participação de cerca de 350 utentes a quem foram feitos os rastreios dos factores de risco associados ao AVC.
Este ano, iremos ter, igualmente no dia 31 de Março de 2009, no período das 09h00 às 17h00, os rastreios de alguns factores de risco, destinado aos utentes que se desloquem ao HLA, em duas bancas situadas na entrada da Entrada Principal do HLA: glicémia; colesterol; tensão arterial; índice de massa corporal; perímetro abdominal.
Estas actividades contarão com a presença de profissionais de saúde que irão realizar os rastreios, prestar informações e entregar folhetos informativos.
Por volta das 11h00 irá ser apresentada uma demonstração de exercícios de prevenção, pelo Serviço de Medicina Física e Reabilitação do HLA.
É favor consultar: www.hlalentejano.min-saude.pt

3.23.2009

Um convite


Mais uma discussão pública de um plano que irá condicionar o destino do Alentejo nos próximos anos.

Questionamo-nos sobre a utilidade destas discussões públicas numa altura em que as diversas entidades decidem a seu belo prazer, em que muitas das decisões são desligadas das realidades ou das reais vontades das populações, em que as vozes discordantes não se conseguem fazer ouvir, em que os municípios entram em conflito com a autoridade central e não conseguem fazer valer as suas intenções (que por vezes também obedecem a agendas pessoais ou partidárias).

Será que este modelo de fazer planeamento não estará esgotado?

Ou será que deve ser mesmo assim, confundir e baralhar para decidir?

Basta dar uma olhada na proposta do PROT ( em http://prot.ccdr-a.gov.pt/ ) para darmos de caras com um documento quase ilegível, cheio de "palha", de lugares comuns, de dados incorrectos e que no fim de tudo ficamos com uma sensação de "vazio, de perda de tempo e mais grave, de nenhuma melhoria para o Alentejo.




3.20.2009

Autárquicas II

Bom...afinal Santiago do Cacém já tem candidatos: o PSD apresenta o histórico Pereira Dias e o PS apresenta o líder da concelhia Arnaldo Frade.
Continua o silêncio em Odemira.

Centro histórico de Santiago recebe fundos comunitários

Com a aprovação da candidatura ao programa operacional Inalentejo, o centro histórico de Santiago do Cacém vai “ter acesso a fundos comunitários pela primeira vez”. O presidente da autarquia, Vítor Proença, sublinha a “prioridade do município na reabilitação” do centro histórico da cidade, seguindo uma “lógica de discriminação positiva”. Assim, “em vez do alargamento da mancha urbana para zonas novas” que se verifica em outras cidades, em Santiago tudo o que tenha a ver com o centro histórico tem direito a “benefícios, minorações e contrapartidas”.
Esta candidatura, que Vítor Proença apelida de uma “vitória do município”, vai possibilitar “quatro intervenções de fundo estruturais e fundamentais”, que são a requalificação do passeio das Romeirinhas, a recuperação da praça Conde do Bracial, a requalificação da rua Condes de Avillez e a reabilitação da tapada dos Condes de Avillez. Estas medidas “juntam-se a outras já feitas” pelo executivo no centro histórico, nomeadamente o “enterramento das infra-estruturas ou a reabilitação interna de casas particulares”.
O investimento total previsto para estas intervenções é de cerca de 1400 mil euros, sendo a comparticipação comunitária de “56,5 por cento”. Vítor Proença considera que “este valor fica aquém, mas já é um contributo”, revelando que vai “exigir algum esforço da câmara, mas que não vai cortar em nada”. O edil pretende a “inversão” de um cenário de abandono dos centros históricos nacionais, devido à “falta de aposta e ao desenvolvimento de zonas novas” das autarquias. Vítor Proença entende que “o país não tem olhado para o seu património”, dando o exemplo de Lisboa, onde “é escandaloso o estado degradante da Sé”.
Para Vítor Proença, há a “falta de uma visão estratégica”, uma vez que o “património deve estar ao serviço do turismo e da economia”. Por isso, garante “uma aposta forte” de Santiago do Cacém no seu centro histórico, revelando que outro “objectivo num futuro próximo” poderá passar pela candidatura a património mundial. Para além disso, refere “outras candidaturas comunitárias a decorrer”, nomeadamente “uma com a Galiza”, e a inauguração do auditório municipal em Maio.
in "Setubal na Rede"

3.19.2009

Autárquicas

Parece que o único Concelho onde existe alguma agitação é Sines.
Manuel Coelho, ao que parece, concorre como independente, a CDU foi buscar a "velha" glória Francisco do Ò Pacheco (irá ser interessante assistir aos debates entre estes dois) e o PS, ao que parece também, já tem candidato, mas sem força para se intrometer neste disputa.
Quanto ao resto mais do mesmo: Alcácer do Sal, Pedro Paredes recandidata-se e vamos ver se a CDU, que tanto criticou, apresentará alguém com força para disputar o lugar.
Em Grândola, Carlos Beato concorre novemente e silêncio na oposição.
Santiago do Cacém e Odemira silêncio e mais silêncio mas não se esperam alterações.
Preocupante é o silêncio do PSD.
Será que ainda existe uma distrital ou concelhia(s) deste partido?

3.06.2009

Sobre a revisão do PDM de Santiago do Cacém

Finalmente a Câmara Municipal de Santiago do Cacém começou a dar sinais de vida sobre a revisão do PDM.
Aqui está o programa das várias sessõs previstas onde será um excelente ocasião para se saber e propor novos rumos para o Concelho.


2.04.2009

O novo IP8

Foi adjudicado a construção do novo IP8 Sines-Beja.
Junto anexamos o link para a página referente a esta obra.
http://www.baixoalentejo.pt
Algumas coisas saltam à vista: o custo de elaboração desta página de propaganda pura, um exagero no tom de auto elogio, o que não nos deixa de causar perplexidade no desperdicio de meios nesta altura de contenção e a inconsequência de algumas opções.
Algumas informações são risíveis: 8 mil empregos? Serão equivalentes aos 10 mil dos projectos turísticos do Litoral? Menos 10% de custos? Seria a primeira vez que aconteceria na história das obras públicas em Portugal.
Outros aspectos mais técnicos também saltam à vista: em lado nenhum aparece o traçado, ou seja, para a enorme maioria das pessoas, e pensamos que a totalidade das pessoas da nossa região, o IP 8 não passa de um risco num mapa.
Aparecem relatório de impacto económico...mas onde estão os de impacto ambiental?
Será que vão ser feitos após a obra? E pelo empreeiteiro?
Também não deixa de ser estranho o silêncio dos ambientalistas nesta questão. Pelos vistos, rasgar parte da Serra de Grândola, destruindo milhares de sobreiros não é relevante.
Também não se compreende a necessidade da construção da Estrada Regional 261-5 entre Sines e Santo André. Vão construir uma estrada ao lado da via rápida existente? Mais betão? Mais impermeabilização? Mais desperdício de dinheiro? Alguém nos explica? Políticos? Ambientalistas?
E outras questões ficam por esclarecer: A verdadeira funcionalidade do Aeroporto de Beja, a total omissão do papel das ferrovias, etc.
E por ultimo...sendo o traçado Sines-Beja, porque será que o unico autarca que não é ouvido é o de Sines, o Dr.Manuel Coelho?

1.28.2009

Em Sines.

Aquilo que se vinha a comentar há algum tempo aconteceu: o Presidente da Câmara Municipal de Sines, Dr. Manuel Coelho desvinculou-se do PCP.
Afinal as moviemntações autárquicas não estão assim tão paradas e este acontecimento vem reequacionar o "xadrez" politico da região.
A nosso ver, e em nossa opinião, alguns dados:
Julgamos que o Dr. Coelho, se se recandidatar, voltará a ganhar.
E julgamos que melhor o faria se fosse como independente.
Será importante perceber quem, da actual equipa dele, o seguirá.
O entendimento politico e institucional que tem com Santiago do Cacém, um município PCP, e "cheio" de ortodoxos, irá sofrer alterações. Veremos o que acontecerá.
Também existirão alterações a nivel da AMLA, mesmo não havendo boas relações pessoais entre os presidentes da Câmara que lá tem lugar.
E um dado importante é o estado do PCP, ou seja, pelas declarações transcritas em baixo, mostram que é um partido retrógrado, sem um mínimo de ligação e respeito pelas populações e pelas realidades locais, em que apenas a disciplina partidária de obediência cega é reconhecida.
Poderá servir de lição á sobrante câmara comunista.
Transcrevemos algumas noticias dos jornais sbre este tema que ainda irá dar muito que falar.
Do Público:
Autarca de Sines sai do PCP, uma "organização estalinizada" com "disciplina de caserna"
Manuel Coelho, militante comunista há 35 anos, passa a ser independente; Jerónimo de Sousa responde-lhe que devia "devolver o mandato à CDU"
O presidente da Câmara de Sines, Manuel Coelho, que já se encontrava em rota de colisão com o Partido Comunista, anunciou ontem em conferência de imprensa, durante uma reunião extraordinária do município de Sines, que se tinha desvinculado do PCP no sábado, por estar farto de "recriminações e acusações" sobre o seu desempenho autárquico. Manuel Coelho era militante comunista há 35 anos. O autarca deste concelho de Setúbal passa agora ao estatuto de independente.O actual presidente da Câmara de Sines está prestes a terminar o seu terceiro mandato à frente da câmara do litoral alentejano. Nas autárquicas de 2005, a lista da CDU encabeçada por Coelho venceu com 54,7 por cento dos votos.Coelho revelou que a gota de água foi uma discussão que manteve com três dirigentes do partido, no passado fim-de-semana. O autarca de Sines afirma que era constantemente visado com "críticas e recriminações" que considerou "idiotas, absurdas, insuportáveis e não toleráveis", segundo a Rádio Sines. "Discurso retrógrado"Como exemplos dos "absurdos", Manuel Coelho lembrou as críticas de que foi alvo por estar presente nos "actos de cerimónia do primeiro-ministro" ou sobre "o que disse, ou quis dizer, em entrevistas sobre o interesse dos investimentos em Sines".Também o convite ao Presidente da República, Cavaco Silva, para estar presente em cerimónias oficiais no Castelo de Sines terá merecido reparos do seu partido, bem como as razões que terão levado o autarca a demitir "quadros superiores da câmara". Confrontado pelas observações críticas do partido que deixou de integrar, o autarca admitiu a necessidade que sentiu, ao fim de 35 anos, de fazer "uma análise dos fundamentos ideológicos, da estrutura, dos programas e das práticas políticas do PCP".A conclusão que retira, decorridos tantos anos de militância, é que o PCP "está impregnado de um conjunto de características típicas de organizações dogmáticas, com disciplina de caserna, que o tornam uma organização estalinizada, com práticas reaccionárias, envolvidas de um discurso pretensamente progressista, mas, de facto, retrógrado".Vereadores da CDU apoiamJerónimo de Sousa disse à Lusa que Coelho deveria "devolver o mandato à CDU". Durante uma visita à AutoEuropa, o líder comunista comentou ainda a hipótese de Coelho se recandidatar nas listas do PS: "Creio que de uma forma desdramatizada, tendo em conta o percurso dos últimos tempos em que [Coelho] se afastou claramente do projecto da CDU e, simultaneamente, o factor de aproximação ao PS (...) pode fazer a pergunta daqui a poucos meses que eu responderei com mais exactidão. O tempo, nestas coisas, clarifica."Em simultâneo com a resolução de abandonar o PCP, Manuel Coelho destituiu Albino Roque, militante comunista, do cargo de vice-presidente e retirou-lhe todos os pelouros. Outros vereadores eleitos nas listas da CDU, Carmen Francisco, Marisa Santos e António Nogueira, a quem foram atribuídas novas responsabilidades na gestão camarária, estão solidários com o presidente da câmara. Na reunião extraordinária estavam presentes dois vereadores do PS, com quem Manuel Coelho aprovou algumas propostas do executivo municipal contra os votos de vereadores da CDU.

Do Expressoonline:
Sines, Setúbal, 27 Jan (Lusa) - O presidente da Câmara Municipal de Sines, Manuel Coelho, eleito pela CDU, anunciou hoje a sua desvinculação do PCP, alegando "recriminações e acusações" do partido relativamente a decisões tomadas enquanto autarca.
"Tomei a decisão de me desvincular do PCP, no qual militava há mais de 35 anos", revelou hoje o autarca em conferência de imprensa, realizada no município.
Manuel Coelho, que está a cumprir o terceiro mandato à frente da câmara de Sines, disse ter comunicado pessoalmente, no sábado passado, a "três elementos dirigentes" do PCP, a sua decisão de se desvincular do partido.
"Esta decisão foi transmitida pessoalmente, sábado, após uma discussão semelhante a outras [ocorridas anteriormente] e que levou, inevitavelmente, a esta decisão", afirmou.
O autarca alega que, em reuniões partidárias, era alvo de "recriminações" e "acusações", as quais considera "absurdas, idiotas, insuportáveis e não mais toleráveis".
Como exemplo, Manuel Coelho disse ter sido questionado sobre os motivos pelos quais tem comparecido nos "actos de cerimónia do senhor primeiro-ministro" ou sobre "o que disse, ou quis dizer, em entrevistas sobre o interesse dos investimentos em Sines".
"Porquê o convite ao presidente da República para os actos inaugurais do Castelo ou porquê demitir determinados quadros superiores da câmara" foram outras das questões que, disse, têm sido suscitadas dentro do partido "ao longo dos últimos três anos", à sua gestão.
Estes factos, acrescentou, levaram-no a "uma análise dos fundamentos ideológicos, da estrutura, dos programas e das práticas políticas do PCP", com uma conclusão que motivou a desvinculação.
"Concluo que este partido está impregnado de um conjunto de características típicas de organizações dogmáticas, com disciplina de caserna, que o tornam uma organização estalinizada, com práticas reaccionárias, envolvidas de um discurso pretensamente progressista, mas, de facto, retrógrado", acusou.

1.27.2009

1º Encontro de Arqueologia e História de Alcácer do Sal

Está a programar-se, para os dias 22, 23 e 24 de Maio, a realização do 1º Encontro de Arqueologia e História de Alcácer do Sal, singelo mas bem sentido tributo a João Carlos Lázaro Faria, que mui precocemente nos deixou.
Como se escrevia em anterior mensagem, «o volume da nova documentação arqueológica exumada tem permitido o renovar do estudo desta importante urbe, que, dominando o rio Sado, logrou, com a sua sabedoria de séculos, efectuar um casamento perfeito entre civilizações e recursos económicos».
E acrescentava-se:
«Alcácer do Sal deteve sempre um papel indiscutível na história da Arqueologia portuguesa. Durante décadas, a actividade arqueológica neste concelho teve a colaboração de investigadores de renome nacional e internacional».
Fórum de debate e actualização da investigação efectuada na região, a iniciativa marca também o 1º aniversário da inauguração da Cripta Arqueológica do Castelo de Alcácer do Sal, onde convivem achados com mais de 2500 anos de intervalo entre si, e pretende ser, como se disse, homenagem ao Mestre João Faria, que dinamizou a recuperação das ruínas e a conversão da cripta para o turismo.
O programa incluirá, além das comunicações e de uma recriação histórica, a visita a sítios paradigmáticos do concelho: a vila do Torrão (Museu Etnográfico, Monte da Tumba…), a referida Cripta, a villa romana de Santa Catarina de Sítimos.
Os interessados em participar e em apresentar comunicação deverão contactar, para o efeito, a Dra. Marisol Ferreira, através do e-mail marisol-ferreira@sapo.pt

Hotel Vila Park recebe Prémio Turismo de Portugal

No decorrer da Bolsa de Turismo de Lisboa (BTL), recebeu uma Menção Honrosa
O Passaporte Ambiental do Hotel Vila Park recebeu a Menção Honrosa da categoria Sustentabilidade Ambiental, no âmbito dos Prémios Turismo de Portugal 2008, entregues numa cerimónia, no passado dia 21 de Janeiro, no decorrer da BTL.
A distinção atribuída reconhece o contributo para a qualificação do turismo nacional e para a notoriedade de Portugal como destino turístico de excelência.
Trata-se do reconhecimento público de um dos hotéis mais amigos do ambiente de Portugal, que desde 2007 tem vindo a conseguir atingir elevados standards de desempenho ambiental, conforme reconhecem as diversas certificações e galardões ambientais conseguidos, nomeadamente:
- ISO 14001 – obtida em Fevereiro/07 e que tornou o hotel no primeiro hotel de três estrelas do País com esta certificação;
- Chave Verde – desde Julho/07;
- Carbon Free - programa de gestão voluntária de carbono (GVC), tendo contribuído para a reflorestação de 10.228 árvores em 2007 e 11.588 em 2008;
- ECO-HOTEL(TÜV) – desde Janeiro/09;
- Rolhinhas – programa de recolha e reciclagem de rolhas de cortiça;
- Save Miguel – no âmbito desta campanha plantou 10 sobreiros.

1.22.2009

Alguém nos pode esclarecer....

Quem é um Sr. José Ferro?
De algumas semanas para cá tem sido presença constante nos meios de comunicação regionais e nacionais.
Do que se consegiu perceber é militante do PCP há 15 anos (será que ja entra na categoria de "histórico"?), fundou uma Comissão de Utentes dos Serviços Publicos de Santo André e não se lhe sabe mais nada em prol do Concelho ou da Região.
Está zangado com os seus camardas de partido e desde então tem sido uma figura publica.
Algumas questões:
1) Agradecemos informações mais detalhadas sobre o referido senhor e da sua actuação em prol da comunidade e da Região.
2) Zangas domésticas e partidarias resolvem-se em casa. Não deveriam ser na praça publica.
3) Porquê este tempo de antena?
4) E porquê ao PCP?
5) Será que os orgãos de comunicação social não tem mais nada para noticiar? Será que não se passa nada de interessante na nossa região?
Nada nos move contra este senhor...apenas achamos estranho.
Só isso.

1.21.2009

Explicações aguardam-se...2

Judiciária fez buscas na Câmara de Odemira relacionadas com processos de obras.

Suspeitas apontam para a alegada existência de crimes de corrupção, peculato e abuso de poder praticados no anterior e actual mandato autárquico
Inspectores da Direcção Central de Investigação da Corrupção e Criminalidade Económica e Financeira (DCICCEF) da Polícia Judiciária realizaram ontem buscas no edifício da Câmara de Odemira, para a recolha de elementos sobre a gestão do anterior e actual mandato do presidente da autarquia, António Camilo (PS). O gabinete de informação e relações públicas da Câmara de Odemira confirmou ontem a presença dos inspectores da DCICCEF, considerando que se trata de uma visita que decorreu "dentro da normalidade" e que vem na sequência de outras investigações que elementos Polícia Judiciária já realizaram anteriormente no município do litoral alentejano.
O presidente da autarquia, António Camilo, citado pela agência Lusa, presume que as buscas realizadas pelas autoridades policiais possam estar relacionadas com dezenas de processos de licenciamento de obras particulares. O autarca adiantou à saída da assembleia municipal extraordinária de Odemira, que decorreu na freguesia de Sabóia, que se colocou "à disposição" das autoridades, a quem diz ter facultado "as melhores condições de trabalho" e recordou que um dos inspectores que se deslocaram à Câmara de Odemira já ali tinha estado "há uns meses, a pedir dois ou três processos relacionados com obras particulares", documentos que então "levou consigo". A Polícia Judiciária, admitiu o autarca, "talvez" tenha voltado para aprofundar a investigação, mas o socialista disse estar de "consciência tranquila". A acção dos inspectores ter-se-á estendido a vários domicílios particulares e ateliers de arquitectos, com base na suspeita de crimes "de corrupção, peculato e abuso de poder", explicando que a investigação agora em curso já estava a ser desenvolvida pela Polícia Judiciária "há algum tempo", para a qual terão contribuído algumas denúncias feitas por cidadãos que se dizem afectados por actos que consideram irregulares, praticados pela gestão de António Camilo, e relativos a projectos de obras particulares.A operação da Polícia Judiciária, de acordo com informações divulgadas ontem, poderá ter envolvido umas dezenas de elementos policiais, a maioria da DCICCEF, mas, segundo a Lusa, as diligências na câmara foram realizadas apenas por dois inspectores que se deslocaram "com um mandado" de busca. No entanto, à mesma hora estariam a decorrer também buscas "em casas particulares e ateliers de arquitectos".A Inspecção-Geral da Administração Local (ex-IGAT) detectou, ao longo dos últimos anos, várias irregularidades na gestão da Câmara de Odemira, ligadas ao licenciamento de projectos de obras particulares.
Seráque desta vez a investigação chegará a conclusões?
A situação da Câmara Municipal de Odemira e dos seus arquitectos há muito que já era noticia, sabendo-se de casos perfeitamente escandalosos de promiscuidade entre a actividade publica e privada.

Explicações aguardam-se

Câmara de Sines autoriza construção de uma casa em cima de falésia instável

O alvará de loteamento prevê uma área de construção de 213 metros quadrados com um piso e sem cave. A obra em curso apresenta três pisos, cave e piscina em terreno municipal
Na encosta que ladeia a Avenida Vasco da Gama, em frente ao Pontal, em Sines, não é indiferente a quem circula por esta artéria que margina o porto pesqueiro a construção de uma moradia que, à distância, parece encavalitada na ponta falésia com mais de 30 metros de altura.
Dificilmente haverá em Sines quem desconheça a celeuma à volta da obra autorizada, pela autarquia, na Quinta de Santa Catarina, antiga propriedade da família do poeta Alberto Pidwell Tavares (Al Berto), num local privilegiado pela soberba panorâmica que oferece sobre o oceano. A localização e volumetria do edifício na falésia, que um estudo do Centro de Geologia de Santo André, a pedido do município de Sines, considerou ser uma área "instável do ponto de vista geológico", suscita fortes interrogações na cidade e na Sociedade de Urbanização da Quinta de Santa Catarina.As conclusões do estudo forçaram autarquia a realizar obras de "recuperação e consolidação da rocha, para evitar a desagregação e a precipitação de pedras", segundo uma informação camarária, que contabiliza o investimento de 140 mil euros no muro de suporte.
José Carlos Guinote, da sociedade urbanizadora, reagindo às críticas que lhe têm sido endossadas por residentes e instituições de Sines, partilha das apreensões em relação a uma obra cuja construção já implicou a demolição de parte da falésia.Não consta do alvará
A obra "desrespeita grosseiramente o alvará de loteamento em vigor, ao triplicar a área de construção e acrescentar alguns pisos aos legalmente autorizados", acusa Guinote, garantindo que a construção "está implantada num local proibido face a uma permuta de terrenos realizada em 2001 entre a câmara e a sociedade urbanizadora que previa o afastamento do lote 15, cerca de 20 metros, em relação à falésia".Neste sentido, o alvará de loteamento foi alterado para "criar uma faixa de protecção entre o limite dos lotes e a falésia", seguindo as recomendações do Centro de Sistemas Urbanos e Regionais do Instituto Superior Técnico, observa Carlos Guinote.
O organismo elaborou várias propostas de localização do lote 15 e uma delas foi aceite pela sociedade e aprovada pela câmara. Para além do recuo do lote em relação à falésia, as partes aceitaram a manutenção da área de construção do lote 15, que ficou dividida por dois pisos.Quando a obra foi autorizada, em Abril de 2007, verificou-se que o projecto de arquitectura contempla, afinal, uma cave com 161 metros quadrados e três pisos com uma área de construção total superior a 600m2. Além destas alterações, a casa está implantada sobre a faixa de protecção à falésia criada através da permuta, que passou para o domínio público municipal e se destinava ao circuito pedonal ao longo da Av. Vasco da Gama.Além disso, o lote da polémica construção tem, agora, 780m2, quando no alvará estão inscritos 590,6m2.
Carlos Guinote observa que a moradia "não está prevista no alvará de loteamento" da sociedade de urbanização, "nem na alteração do mesmo alvará já aprovada pela Câmara de Sines e a aguardar registo". O responsável não compreende como é que uma faixa de terreno permutada pela sociedade para fazer parte da faixa de protecção da falésia, "acaba nas mãos da empresa Coibal-Construções Irmãos Barbosa para aí construir a sua casa quando isso é expressamente proibido, quer pelo alvará em vigor, quer pela alteração aprovada pela autarquia".A moradia está ainda transformada numa "barreira de betão" com sete metros de altura que tapa as vistas do mar aos residentes noutros lotes da Quinta de Santa Catarina. A Câmara de Sines, após três semanas, não respondeu às questões colocadas pelo PÚBLICO. A empresa Coibal só estará disponível para comentar o assunto a partir de 2 de Fevereiro.