10.10.2008

Inacreditável 2

Algumas fotografias da zona onde pretendem passar a variante ao Hospital...
















19 comentários:

Anónimo disse...

isto é uma pouca vergonha, que autarcas são estes que não respeitam estas marcas e estes valores e levam tudo à frente sem mais nem menos quando existem alternativas que não vão estragar a paisagem e o que ela guarda de mais importante. Que miséria de mentalidades que nos havia de tocar valha-me deus.

Anónimo disse...

Esta gente não tem amor nenhum por Santiago mentalizem-se disso. Esta gente só vieram pra cá pelo tacho, porque antes nunca ouvimos falar deles nem nunca fizeram nada por Santiago, por isso estas coisas não significam nada para eles tanto se lhe dá que tenham valor como não. Quanto mais depressa forem corridos de cá melhor para todos nós.

Anónimo disse...

Mas afinal no litoral alentejano não há partidos da oposição á CDU? Hibernaram para aparecerem só quando há eleições?

Anónimo disse...

Pela boca do presidente v.proença a câmara de santiago parece ser muito amigo do património pelo que não entendo como é que se vão destruir todos estes elementos e a paisagem que os emoldura. acho que isto não está de acordo com o discurso do presid. v. proença. era importante que os partidos politicos da região metessem este tema na agenda politica local e fizessem a sua discusão, alertas, etc.

Anónimo disse...

É de facto inacreditável. Das duas uma: ou quem traçou a estrada o fez em cima de uma secretária, a régua e esquadro, e não conhece, no terreno, a zona por onde vai passar – o que é mau - ou então conhece mas está-se pura e simplesmente a "marimbar", o que é pior ainda. Alheadamente de quaisquer interesses politico - partidários, o que importa é alertar para o crime contra o património, não só histórico-cultural mas também ambiental, que ameaça ser cometido. Para além de se tratar de Quintas Históricas, únicas no concelho, algumas delas com um importante e bem conservado património construído com mais de 250 anos, é a zona em referência dotada de grande abundância de água, com várias nascentes, ribeiros e tanques de rega que lhe permite dispor de um património arbóreo e uma frescura quase únicos no nosso Alentejo.
Este património não pode ser deslocado. A estrada pode.

Anónimo disse...

Viva , Senhor Presidente!!
Tanto charme e tão pouca vergonha.
Será que que tem coragem para desmentir o que aqui se publicou sobre o traçado? Será, Sr. Presidente Proença que a pouca vergonha que tem estampada na cara vai passar despercida? Que anda o Sr. Presidente a fazer? será que os assessores da sua imagem não lhe dizem que está muito mal em todas as fotos que tira?, em todas, repare em todas não há uma que se aproveite. Estou à espera de o ver em campanha Sr. Presidente. Mas que grande descaramento. Vai perder as eleições. Não se convença do contrário. Olhe, e vai começar por dentro, ou seja, internamente e eu e muitos mais vamos gostar de ver. Deninciem esta situação, isto é digno de discussão pública, para as pessoas saberem o que o VITOR PROENÇA anda a tramar.

Anónimo disse...

Uma situação desta gravidade devia ser denunciada com letras gordas nos jornais e nas rádios, mas parece que a comunicação social da nossa região andam de olhos fechados, ou será que não os querem abrir com medo de perder publicade, etc?

Anónimo disse...

Esta questão roça o escandalo, até parece mentira isto ser verdade ainda por cima num concelho destes. Será que não se pode fazer nada para evitar isto e arranjar-se forma de alterar o traçado?

Anónimo disse...

1- a comunicação social da nossa região dá voz aos disparetes dos politicos fracos cá do sitio, em vez de denumciare as situações gravossas que por aí andam como está, é clar,
2- depois a comunicação social cá da zona se calhar precisa de publicidade, se calhar;
3- depois o Proença não tem mesmo vergonha na cara! mas que grande farsa,será que ele não vê o quanto limitado é em termos de discurso?
Seár que ele não vê que a mentira tem perna curta? Organize a csa sr. Presidente não tarda perde o pé dentro da câmara, se é que já não perdeu

Nuno Martins disse...

Quero manifestar o meu apoio ao Bruno Pereira e Claudio Catarino que no programa Atlântico de ontem disseram umas boas verdades sobre a maneira de agir da Câmara Municipal de Santiago do Cacém a propósito da alteração da bandeira municipal sem que a autarquia tivesse passado cavaco aos municipes. Vitor Proença ouviu ontem das boas na Antena Miróbriga. Parabéns pela coragem desta rapaziada que faz este programa de rádio.

Anónimo disse...

Quando a comunicação social alinha ao lado destes atentados, ocultando-os, não é preciso dizer mais nada sobre os órgãos de informação ou media da região. Mas a maior fatia de responsabilidades vai para os partidos politicos que vão mantendo um silencio ensurdecedor sobre esta e outras questões polémicas com que a região está a debater-se.

de cá disse...

Onde poderemos saber qual a alteração na bandeira municipal e essas declarações do Cláudio Catarino e Bruno Pereira?

nuno martins disse...

Acho que as declarações não existem na internet, mas foram fortíssimas que o Vitor Proença até andou de lado.

Anónimo disse...

QUEM É QUE PODE TRANSCREVER PARA AQUI O QUE DISSE O BRUNO E O CLÁUDIO? AO MENOS FICAVAMOS TODOS A SABER.

Visto por um Alentejano! disse...

De facto podia-se ter mais cuidado, quando se projecta qualquer obra!Mas ao que é normal neste País, só se pensa no agora esquecendo-se o passado e o futuro! E já agora um reparo, nas ocasiões que visito este blogue e vou ler os comentários raramente aparece alguém que seja capaz de se identificar! Assim é cómodo criticar, só que as criticas assim perdem credibilidade!

Anónimo disse...

Que estória é essa da bandeira que nunca ouvi dizer nada?

Realmente é uma pena que em santiago não exista ninguém politico que se interesse por esta questão, pelos vistos estão-se todos nas tintas pa este assunto e não querem saber se o traçado vai destruir património importante ou não. Com politicos destes não vamos muito longe.

Francisco Lobo de Vasconcellos disse...

Sobre este tema que voltou ao centro da discussão, deixo, com a vossa permissão, excertos de um texto que escrevi por ocasião da hipótese de traçado da IP8 nesta zona, em 2003 e felizmente abandonado.
Este texto foi publicado no jornal "Litoral Alentejano" e enviado a diersas entidades.
"....Nesta zona, chamada de Escatelares é uma zona de minifúndio, densamente povoada, com forte produtividade, especialmente de frutícolas e hortícolas, em que as pessoas que lá habitam cultivam uma forte proximidade social, num sistema de entreajuda, trocas e convívio.
Uma estrada a rasgar esta teia iria colocar em risco todo esta estrutura social e produtiva, em que muitas das quintinhas são o único sustento e ocupação dos seus proprietários.
Igualmente esta zona tem um microclima único, que proporciona uma fertilidade e uma beleza natural incomparável, que aliás, é um dos motivos de atracção deste concelho.
Nesta zona localizam-se algumas das Quintas mais interessantes deste Concelho e de todo o Alentejo, desde a Quinta dos Olhos Bolidos, referenciada desde o séc. XVI, com os seus jardins barrocos, à Quinta de S. João, excelente exemplar de quinta de recreio do séc. XIX, passando pela Quinta do Pomar Grande, Quinta Nova, Quinta do Meio, Quinta da Horta, etc.
Praticamente todas elas em pleno funcionamento, e muitas delas ainda utilizando sistemas de cultivo, de rega, de parcelamentos ancestrais e que formam um estrutura única e de grande importância ambiental e sócio-económica.
Mesmo que o traçado não passe exactamente por cima, é toda uma área que ficará afectada e irremediavelmente destruída.
Igualmente é uma área riquíssima do ponto de vista arqueológico, como comprovam alguns vestígios existentes e que uma investigação mais profunda irá certamente confirmar.
Em resumo, uma estrada, ou antes, uma barreira com 400 metros de largura irá, certamente, causar uma cicatriz de difícil cura nesta zona tão excepcional e sensível do Concelho de Santiago do Cacém.
.....
O IEP e seus projectistas mais uma vez adoptaram uma atitude centralista, sem olhar as realidades locais e de pouca racionalidade económica.
........ que pelas razões expostas acima terá graves consequências nesta área, em prol de um suposto e não discernível desenvolvimento, promove a destruição de uma das zonas mais interessantes do Concelho e de maior potencial produtivo e turístico, ou seja uma delapidação dos recursos naturais e patrimoniais que são de todos nós.
Igualmente uma palavra de censura por não ter promovido um esclarecimento e debate aberto, sincero e claro de modo a que a sua opção fosse guiada pelo desejo real dos Santiaguenses."

Anónimo disse...

Pode-se ouvir a 1ª hora que fala da bandeira no blog do programa da rádio

http://atlanticoradio.blogspot.com/

Anónimo disse...

até qd vão as pessoas do concelho deixar o vitor proença passar os limites?