6.10.2008

Quinzena D.Carlos em Sines

Está a decorrrer em Sines a Quinzena D. Carlos, no ano em que se cumprem 100 anos sobre o seu assassinato, com uma Exposição sobre a figura do Monarca, no Edifício do Porto de Recreio, salientando a sua vertente marítima, integrada no vasto programa nacional de evocação desta figura da História de Portugal.
Sines e a sua costa foram diversas vezes visitadas por El Rei D. Carlos I, no âmbito das suas viagens e das suas campanhas oceanográficas, tendo algumas vezes sido referidas nos seus trabalhos científicos.
Além da vertente científica, D. Carlos I e a Família Real foram grandes desportistas náuticos, tendo participado em diversas regatas, tanto à vela como em remo e a motor.
Esta exposição terá um valor acrescido devido á sua ligação à LVIII edição do Troféu D. Carlos I, em vela, que liga Belém a Sines, uma organização da Associação Naval de Lisboa, a 7 de Junho de 2008, e irá decorrer ainda o Campeonato Nacional de Cruzeiros de 8 a 10 de Junho e o Troféu Vasco da Gama nos dias 13 e 14 de Junho, reforçando o papel de Sines como um local de grande qualidade para a prática de desportos náuticos, juntando muitos velejadores e visitantes nesta altura do ano.
Na Exposição, que decorrerá no Edifício do Porto de Recreio em Sines, e que estará patente de 7 a 24 de Junho, vão estar, além dos painéis elaborados pela “Comissão D. Carlos 100 anos” uma série de objectos nunca antes expostos ou que nunca saíram de Lisboa, de vários coleccionadores públicos privados.
Paralelamente irão decorrer várias conferências, no Centro de Artes de Sines, no dia 11 de Junho, ás 16.00 :
"D. Carlos Marinheiro" - Alm. Henrique da Fonseca, o "O mar na obra pictórica do Rei D. Carlos" - Dra. Isabel Falcão, o "Contributo do Rei D. Carlos para o conhecimento do mar e seus recursos" - Prof. Doutor Carlos S. Reis e “Investigação científica desenvolvida pelo Laboratório de Ciências do Mar” – Profs. João Castro e Teresa Cruz – Univ. de Évora.
Ainda no âmbito deste evento irá decorrera a visita do Senhor D. Duarte a Sines, no dia 14 de Junho onde visitará o Porto de Sines, as obras de recuperação do castelo de Sines, a Exposição do Tesouro de Nossa Senhora das Salas e a Exposição D. Carlos e o Mar.

17 comentários:

de cá disse...

mais uma vez Sines com programação cultural inovadora e diferente.

SANTIAGUENSE disse...

Aos poucos Sines assume-se como a capital cultural do litoral alentejano seguida de perto por Grândola e Alcácer. Em Santiago vivemos ainda dos louros da exposição de arte sacra e o resto não passa de intenções.

Anónimo disse...

Com as potencialidades que tem Sines, esta dinâmica não me apanha de surpresa. O que me surpreende é Santiago não passar da cepa torta nem ter eira nem beira com as potencialidades que tem. Politicos de baixa qualidade, ideias avulsas e pouco sustentadas, projectinhos de qualidade duvidosa, oposição moribunda que ajuda a CDU a manter-se no poder e um concelho adiado.

lopes disse...

siens tem bons e bem localizados equipamentos culturais e expositivos

Oliveira disse...

Sines é um concelho mais fácil de gerir que Santiago é preciso ver isso.Espanta é Santiago estar a ficar atrás de Alcacer em relação à cultura. Quer dizer, espantar não espanta porque basta olhar para quem está à frente do pelouro e da autarquia que fica logo tudo explicado. Muito sinceramente tinha bastante curiosidade em ver Mário Primo no pelouro da cultura da CMSC porque acho que tem bastante capacidade para fazer um bom trabalho e tem provas dadas.

Anónimo disse...

Ai, ai se esta região estivesse nas mãos de autarcas mais objectivos e perspicazes o que não seria o andamento de todos estes concelhos!!!!! Lamentavelmente a politica (os politiqueiros, especialmente)divide a região que podia desenvolver-se de forma integrada, com projectos articulados nos assuntos que são comuns a todos os concelhos. Também uma só voz, a falar por todos e em nome de todos, daria mais resultados práticos na saúde, na cultura, na economia, etc, etc.

Vilhena disse...

Mais um acontecimento que traz prestigio a Sines independentemente da carga monarquica do programa. Mas penso que Sines está a saber aproveitar razoavelmente bem todas as oportunidades para se promover e se mostrar e isso é muito bom. Ao lado, Santiago apagou-se depois da grande exposição na igreja do castelo porque não tem sabido aproveitar tudo o que tem de melhor e ao contrário de Sines as iniciativas que realiza não têm eco fora da região ou seja a nível nacional. Sines tem tido mais projecção a nível nacional através de iniciativas mais mediáticas como é este caso, o Festival Músicas do Mundo, etc.

Anónimo disse...

Sines precisa de uma grande exposição à volta da epopeia dos descobrimentos e do papel decisivo de Vasco da Gama, recorrendo a peças locais e empréstimos de museus nacionais e estrangeiros. Seria muito importante a meu ver.

Anónimo disse...

Em Cuba agora andam com toda a força a tentar convencer que o Cristovão Colombo nasceu lá para tirarem partido disso e projectar a terra com esse nome. Porque é que Sines que foi terra de Vasco da Gama não tira mais partido desse nome importante da nossa história ? Quem souber que me responda.

Anónimo disse...

Apesar de tudo sines está um pouco melhor que santiago que tinha falta de um grande acontecimento tipo fmm, porque se quer ser mesmo a capital do alentejo litoral tem de ter coisas com grande impacto. Já ouvi dizer que vai haver mais uma grande exposição com a ajuda do dr. josé antónio falcão que tem sido a grande ajuda da cãmara para a cultura porque se santiago ficar à espera das ideias da cãmara para grandes acontecimentos bem podemos esperar sentadinhos!

m goes disse...

Acho que todas as exposições que saem do politicamente correcto ou pacote que as cãmaras impingem são feitas por gente de foras das autarquias. Infelizmente estas só tem gente alinhada politicamente.
A do D. Carlos, as da Diocese, as do CCEN, tem mais interesse que muitas outras que as Cãmaras organizam e que ninguém vai lá.

pêlos nas pernas disse...

Temos que nos dar por satisfeitos por haver ainda gente interessada em promover eventos culturais independentemente da carga politica.
Veja-se o exemplo da exposição e respectivo programa D.Carlos 100 Anos.
Uma pessoa mais ligada a Santiago, mas também com ligações a Sines e ao mar, Francisco Lobo de Vasconcelos, consegue organizar o programa, numa autarquia maioritáriamente CDU, mas que se interessa e aceita a diferença.
Culturalmente a anos-luz da miséria da autarquia de Santiago que tem como única preocupação a construção de equipamentos de sofrivel qualidade e utilidade mas de grandioso dispendio.
A cultura não deve ter côr.
Quem a promove, deve sim interessar-se pelo rigor histórico e qualidade no que faz.
Parabéns á Camara Municipal de Sines, Francisco Lobo Vasconcelos, APS e quem se associou á realização de tão nóvel, diferente e interessante evento.

Marina disse...

Graças a deus ainda temos algumas pessoas boas no concelho que vão avançando com eventos bastante interessantes sem estarem a trabalhar para ganhar dinheiro como é o arqtº Lobo Vanconcellos e não sei se é irmão ou primo Dr Falcão. A todos eles e outros os meus parabens.

pêlos nas pernas disse...

Ò Marina, primo ou irmão do J.A.Falcão ?
A propósito, o Dr. J.A.Falcão é arquitecto a que titulo?
Licenciado por qual Universidade?
Gostava de ser esclarecido, pois não frequentou nenhuma faculdade portuguesa desse ramo.
E Professor que eu saiba é quem é Catedrático.

Anónimo disse...

O Lobo e Falcão não são primos. Nem no reino animal.
Nem o Falcão é arquitecto.
Mas tem feito bom trabalho!

Anónimo disse...

Ei deixem lá os homens em paz, que o que conta é o que eles têm feito por santiago cada um no que sabe e pode. E olhem que se todos os santiaguenses fossem como eles isto estava muito melhor. Agora se são primos ou não, isso não tem interesse nenhum. Temos cá gente boa no concelho, destes mesmo cá nascidos, não precisamos de Proenças, nem de Margaridas, nem de Alexandres Rosas e outros de fora que não sentem esta terra como nós sentimos. Nós é que temos que sabre dar valor à nossa terra sem ajudas de papagaios que andam de tacho em tacho e que levam a vida à sombra dos partidos.

Anónimo disse...

À semelhança dos anos anteriores, Alvalade, freguesia do concelho de Santiago do Cacém, vai comemorar mais uma vez a concessão do Foral, que assinala este ano 498 anos. O evento, terá lugar no núcleo histórico de Alvalade, durante os dias 19, 20 e 21 de Setembro próximo.


Durante 3 dias, a vida quotidiana do homem da Idade Média vai ser recriada em Alvalade com todo o rigor, através de um programa que compreende a realização de um cortejo histórico onde estarão representadas todas as classes sociais da época, e uma Feira Medieval animada com trovadores, justas medievais, teatro, mostra e exibição de armas, danças medievais, venda de produtos e ainda um restaurante com ementa medieval.


O evento “Alvalade Medieval - Comemorações do Foral” é uma aula de História ao vivo, único acontecimento do género no Litoral Alentejano, e que todos os anos leva milhares de visitantes e turistas à Vila de Alvalade.


Programa e outras informações em http://alvalademedieval.no.sapo.pt