6.16.2008

Alentejo vai cartografar e preservar o seu vasto património cultural imaterial

A iniciativa da Direcção Regional de Cultura visa a instalação em nove concelhos de uma rede de conteúdos que será ligada a uma entidade central de concentração das memórias sociais
A Direcção Regional de Cultural do Alentejo está a desenvolver um projecto para a salvaguarda do Património Cultural Imaterial da região que visa a criação de contextos físicos que preservem as marcas culturais existentes em nove concelhos do Alentejo. Para que não se perca a memória social de usos, costumes, artes e tradições.
A iniciativa tem por base a Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial, adoptada em Outubro de 2003 na 32.ª Sessão da Conferência Geral da UNESCO e que foi aprovada pelo Estado português em Janeiro de 2008.
Paulo Lima, coordenador deste projecto, diz que partindo da Convenção e das manifestações do Património Imaterial, "pontuou-se um conjunto de municípios onde, pela sua diversidade e pela forte presença dessas manifestações, se poderia constituir uma rede representativa" e criar uma cartografia patrimonial.
Deste modo, em Alcácer do Sal vai ser edificada a Casa da décima e do verso improvisado, dedicado à poesia popular/tradicional e ao improviso; em Arraiolos, um centro do tapete vocacionado para o estudo dos têxteis do Alentejo; em Avis nascerá um espaço dedicado aos modos de construir e à arquitectura; em Barrancos emergirá a Casa da Fala com vista à preservação do dialecto barranquenho e à dialectologia; em Baleizão será feito um arquivo de história oral dedicado à memória social; em Borba vai nascer a Casa do Teatro Tradicional.
Em Ourique surgirá a Casa da Viola Campaniça e do Baldão, com vista a conservar o único instrumento de cordas do Alentejo, a sua utilização em diversas práticas musicais e outros instrumentos musicais utilizados também na região. Em Portel, é implantado o Jardim do Mundo, que permitirá o conhecimento do Território, das Paisagens e das Identidades do Alentejo e, por fim, em Serpa/Cuba, nascerá a Casa do Cante, como forma de manter o importante movimento coral tradicional.
De acordo com o coordenador deste projecto, estes locais, que procuram cobrir, de diferentes formas, todos os âmbitos da Convenção, "são supra-municipais e têm por obrigação a constituição de planos de salvaguarda específicos, posicionando-se não apenas para o local onde estão implantados, mas para a região, em articulação com as comunidades locais e o mundo universitário", disse.Toda esta rede primária terá ligação com um Centro de Articulação de Conteúdos, o Centro Michel Giacometti, que será instalado no Alentejo Central, em local a definir, e que terá como missão não só a articulação de conteúdos, como a gestão do Centro de Documentação Digital, mas também a sensibilização para uma boa prática de conservação de arquivos do Património Imaterial.
A partir de diferentes projectos, vão ser construídas redes específicas de âmbito regional e supra-regional. "É o caso do projecto de Arraiolos, que, a partir de uma especificidade que é o Tapete, e onde se está a construir um processo ligado à propriedade intelectual de uma manufactura artesanal, se procederá à construção de uma estratégia que articule uma rede que, neste caso, deverá incluir os bordados de Nisa, as tapeçarias de Portalegre, as mantas de Reguengos de Monsaraz e Mértola, ou as rendas de nós da Trindade", explicou o mesmo responsável.
Destes projectos são supostos nascerem planos de salvaguarda que passarão por documentar a manifestação em si e instituir estratégia de continuidade que articule a formação com sectores económicos, como é o caso do turismo.Neste sentido, a Direcção Regional de Cultura desenvolve outros projectos, que visam a exploração do património cultural "e que poderão, ou não, ter suporte nos locais e projectos referenciados". Paulo Lima salienta o desenvolvimento de uma rede de encontros científicos de diferente dimensão, que se pretendem articular com um conjunto de festivais temáticos, onde Monsaraz, em articulação com o Museu Aberto, ou utilizando a vila de Marvão, ou pequenos projectos emergentes, como é o caso dos cantos iberoamericanos de improviso em Alcácer do Sal, poderão tornar-se uma mais-valia importante para o turismo cultural", sublinhou.O coordenador avançou ainda que existe uma outra intenção, subjacente também a este projecto, que tem a ver com a construção de conteúdos multimédia para sítios e monumentos de interesse patrimonial, como é o caso dos castelos de Amieira do Tejo (Nisa) e Campo Maior, da Torre do Salvador, em Évora, ou do Castro da Cola, em Ourique.
Também a paisagem e a culinária são vistas como um património fundamental do Alentejo, pelo que a construção de uma base de dados sobre a culinária do Alentejo, que envolva também o inventário dos produtos agro-florestais, bem como dos modos de fazer, será de grande relevância, podendo Portel e Mértola constituírem-se como pólos importantes nesta estratégia. Por Património Cultural Imaterial devem entender-se os usos, representações, expressões, conhecimentos e técnicas, os instrumentos, objectos, artefactos e espaços culturais, as comunidades e os grupos que vão transmitindo algo de geração em geração. Tal como o texto da Convenção para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial explica, "é um conhecimento que é recreado constantemente pelas comunidades e grupos em função do contexto em que vivem, da sua interacção com a natureza e com a sua historia".Tem por objectivo esta prática fomentar um sentimento de identidade e continuidade pelo respeito da diversidade cultural e da criatividade humana.

3 comentários:

Anónimo disse...

Onde andas tu Santiago que passas sempre ao lado dos grandes projectos culturais alentejanos ?

de cá disse...

Duvido que esta Direcção Regional da Cultura faça alguma coisa.
Nem dinheiro tem para manter aberto o patrimonio material, com o mínimo dos mínimos: as Ruinas de Miróbriga, S. Cucufate, Zambujeiro etc...quanto mais estes centros disto e daquilo.
Este Director é uma anedota. É o que dá colocarem amigos politicos e funcionários do Partido em vez de técnicos e pessoas conhecedoras.
É triste, e muitas mais monumentos vão fechar!

Anónimo disse...

De boas intenções está o pais farto. Só vendo é que acredito neste projecto. O Ministério da Cultura tem sido o mais penalizado nos cortes orçamentais. Mas sem duvida que seria um projecto muito interessante se um dia for avante.