4.24.2008

Sines instala Escola de Artes na antiga estação ferroviária


A Câmara de Sines inaugura sexta-feira na antiga estação ferroviária da cidade a nova Escola de Artes, que inicia as suas actividades com o ensino da música em expriência-piloto entre Maio e o final de Julho para, em Setembro, arrancarem as actividades curriculares.O projecto do município do litoral alentejano estender-se-á a outras formas de arte - dança, teatro, artes plásticas -, para se transformar num centro artístico de âmbito regional.

A autarquia adaptou a antiga estação ferroviária, que classifica como "a mais notável construída em Sines" na primeira metade do século XX (1936), projecto da autoria do arquitecto Ernesto Korrodi, e agora pretende apresentar candidatura ao QREN para financiar a construição de um edifício de raiz onde possam ser leccionadas, com outras condições " todas as áreas e actividades previstas no projecto da Escola de Artes de Sines.

Já foram entretanto abertos o curso de jazz, de música clássica, o curso livre (outros géneros musicais, com pacote pais e filhos), infantil (opções jazz e clássico) e o curso de música e tecnologia aplicada à música - gravação, edição, masterização). Além dos cursos, realizam-se actividades complementares no Centro de Artes de Sines, como a musicoterapia (intervenção terapêutica através da música) e a massagem e música para bebés (massagem do bebé com intervenção terapêutica musical, para pais e filhos).

O corpo docente tem formação superior, esperando a autarquia que o Ministério da Educação avalize a sua actividade para que o novo estabelecimento venha a ser incluído na rede de escolas no campo das artes.

16 comentários:

Anónimo disse...

Sines vai dando sinais interessantes na cultura quem pela influencia do festival de músicas do mundo. Se a escola de artes for bem dinamizada e aproveitada concordo com um edificio de raiz, caso contrário será um risco meter mais um equipamento num concelho destas dimensões que já vários edificios culturais. Santiago que se cuide, que Sines está a ganhar terreno na área da cultura.

Silva disse...

Absolutamente de acordo e acrescento que o futuro auditório de Santiago não vai responder à falta de um bom equipamento cultural que faz muita falta a Santiago se quiser afirmar-se como grande pólo cultural do nosso litoral

Anónimo disse...

Que boas notícias - uma escola de artes é do melhor que se pode implantar numa terra. Perspectiva de exposições e concertos, edição de livros e cds, artistas e professores convidados, intercâmbios... tanta coisa. Parabéns a Sines. Estará Santiago muito virada para o passado...?

A antiga estação ferroviária foi remodelada...?

Anónimo disse...

Penso que Sines podia e devia tirar mais proveito da figura de Vasco da Gama do que o que tem feito. Fazer e publicar mais estudos, organizar seminários sobre os feitos de Vasco da Gama e a sua relação com Sines, e por aí fora.

Anónimo disse...

Um auditório para quê?
Para a politica cultural da Cãmara para aquela vereadora, o presidente e a chefe de divisão iventarem profgrama inuteis onde niguém esta interessado em ir?

Anónimo disse...

Qual Vasco da Gama... que mania com os feitos dos descobrimentos! Quais seminários sobre os feitos...! ideias retrógradas de gente pomposa a infestar o alentejo. A escola está muito bem sim senhor já nos basta os lobbies museológicos de santiago e gente tacanha que só pena em casas e pedregulhos do tempo da maria cachucha.. quais seminários de feitos!

Anónimo disse...

É a equipa da cultura que deixa muito a desejar mas é sobretudo a falta de uma politica cultural do município com cabeça, tronco e membros.

Sines disse...

O anónimo que desdenha a figura de Vasco da Gama e dos descobrimentos não sabe o que diz! Se calhar a grand efigura de Sines é o "poeta" Al Berto? ou as comquistas da industrializaçãoque destruiram Sines e arredores...se calhar é melhor as pedras da rfinaria e das industria poluentes!

pêlos nas pernas disse...

O "anónimo" que escreve o que escreveu sobre Vasco da Gama, deve ser arraçado de bidon de crude.................
Primo de algum calhau........

Anónimo disse...

Qual albert! Ora tenha-me santa paciência! esses conquistadores que poluiram Sines já parece a história das minas e aquele aparato todo do elevador panorâmico pra cima e pra baixo... qual elevador! Os mineiros trablharam que se fartaram a vida toda e o nome dos donos da empresa é que fica nos museus e na papelada... qual vasco da Gama qual elevador panorâmico! Se querem museus e pedregulhos ponham lá mas éa as histórias da vidas das pessoas que labutaram a vida toda anos a fio nas minas e a remar a levar no lombo por aí fora e no fim ficaram a ver navios... e essa gente exploradora é que fez muito pelo desenvolvimento região e fica com os louros?.. e agora elevadores até às profundesas da terra e feirinhas com chapéus do Vasco da gama e mais gente pomposa a falar e a trocar chapeuzinhos nao faltava mas nada! Ora tenha santa paciência essa gente conquistadora toda... qual feitos qual elevador qual vasco da Gama! e lá isso o futuro!

Anónimo disse...

O anónimo que rejeita um melhor aproveitamento de Vasco da Gama, em Sines, está a rejeitar uma parte importante da identidade do país, de Sines e da Europa....e ainda nos chama tacanhos.
É esta mentalidade que está um pouco presente na gestão dos municipios do Litoral Alentejano e dai não me admirar que estes autarcas vençam sempre eleições.
Com este eleitorado, é garantia de eleição certa.

uma sineense disse...

Mal vai um país que ignora os seus que projectam o país no mundo e mal vai um concelho que tem gente tacanha como o sr, anónimo que faz comentários como fez sobre o grande Vasco da Gama que a meu ver devia ser o grande emblema de Sines e até do Alentejo Litoral que só teriam a ganhar com isso.

Vgama disse...

Decididamente este AANÓnimo é um ANOrmal...o que é que os mineiuros tem a ver com Sines???
O moderador não devia deixar passar estes comntários´pouco inteligentes e pouco interessanres

R.P. disse...

Há pessoal que só sabem vir aqui para provocar e não dizem nada que se aproveite. Desde quando é que há minas e mineiros em Sines ?
O impacto ambiental que as indústrias provocam em Sines, mas que ao mesmo tempo criaram emprego, tem de ser amenizado com outros projectos no campo ambiental, nas outras riquezas de Sines, e igualmente na criação de públicos na cultura, na defesa do património, e na criação de eventos ao longo do ano que tragam visitantes como é o FMM.
A escolca de artes parece-me bem mas há ainda muito por fazer.

USS disse...

ANNONIMO e Vgama...que ideias de treta!
Pelo tipo de comentários vê-se a estirpe do comentador...
Que conceitos de liberdade vgama!

Alencult disse...

Espero que começe a desenvolver as outras artes.
Já agora espero que o centro cultural de Santo André, tenha uma sala para exposições de grande dimensão e um auditório que possa receber grandes espectáculos, a mostra de Santo André a quem aconselho a visita, a decorrer a partir de dia 8 de Maio onde a sala está lotada todos os dias ( +/-200 lugares)e espectáculos como os Footsbarn (que em cada dia estivem 400 pessoas)e as Cextas de Cultura, são exemplos que referenciam a necessidade de uma sala com 500 lugares e que possa albergar, grandes produções.
Não vamos pensar pequenino, com projectos turísticos por todo o nosso Litoral. Sines é um bom exemplo de uma boa política cultural: Músicas do Mundo, Centro de Artes,Escola de Artes.