4.18.2008

Dia Internacional de Monumentos e Sitios II

Cripta arqueológica do castelo de Alcácer do Sal abre hoje ao público.
Este nosso Litoral Alentejano é um dos mais ricos pedaços do território nacional, tanto do ponto de vista patrimonial, como natural e ecológico e das suas gentes.
É com agrado que se regista mais este equipamento posto ao dispôr da região e do país, fruto de uma descoberta feita em 1993 e que não foi esquecida. Convém registar que a Câmara Municipal de Alcácer do Sal é uma das unicas que tem no seu quadro arqueólogos permanentes e convèm registar também que outras, como Santiago do Cacém, nem sequer colocam essa hipótese!
"A cripta arqueológica do castelo de Alcácer do Sal vai poder ser visitada a partir de hoje, Dia Internacional dos Monumentos e Sítios e em que é inaugurado o museu instalado no piso inferior do monumento, transformado em pousada turística. A galeria subterrânea foi descoberta em 1993, no decorrer das obras, incluindo escavações, para transformar o castelo em pousada, explicou Isabel Vicente, vereadora da cultura na Câmara de Alcácer do Sal. As escavações revelaram vestígios da Idade do Ferro, que remontam ao século VI a.C., e estruturas do período romano e da ocupação islâmica, num espaço onde "convivem" achados com mais de 2500 anos de intervalo entre si. "Foram descobertas esculturas da Idade do Ferro, dos períodos romano, visigótico e islâmico", disse Isabel Vicente, apontando também o caso de objectos do quotidiano das freiras do arruinado Convento de Aracaeli, várias moedas e cerâmicas. A galeria subterrânea no piso inferior do castelo, transformado na Pousada D. Afonso II, apresenta um "singular percurso de visita labiríntico, por entre as fundações do convento". A recuperação das ruínas e respectiva conversão para o turismo foi encabeçada pelo falecido arqueólogo João Carlos Faria, mais tarde eleito vereador do município local. De acordo com a autarquia, a inauguração da cripta arqueológica constitui uma ocasião para "chamar a atenção pública para a protecção e valorização de todos os espaços investidos de valor sagrado pelas respectivas comunidades humanas". in Público

25 comentários:

J.M.F. disse...

Tem toda a razão, que somos um dos melhores pedaços do território nacional, isso toda a gente sem problemas de visão consegue ver menos alguns edis sem visão estratégica. Aproveito para dar os meus maiores parabéns à câmara municipal de Alcacer pela inauguração da sua cripta que vem dar uma mais valia ao litoral alentejano. E também por ter arqueólogos a trabalhar para a câmara porque esse trabalho está aqui bem à vista com esta cripta e também Santiago podia ter algo assim ou parecido no nosso castelo se já lá não estivesse o cemitério, e a câmara tivesse arqueólogos no seu quadro mas infelizmente com esta vereadora da cultura e estas politicas da cultura bem podem esperar sentadinhos porque eles não querem saber disso para nada. Sim, porque acredito que nosso castelo se fossem feitas escavações por arqueólogos muita coisas interessantes haviam de ser achadas e que estão debaixo da terra. Mas com esta câmara, não acredito de maneira nenhuma. Era mais facil em Sines do que em Santiago.

Anónimo disse...

Alcacer está muito mais evoluido do que Santiago no que respeita à valorização dos monumentos talvez porque o presidente é arquitecto

Francisco Lobo de Vasconcellos disse...

Sobre este novo equipamento aqui está um interessante video.
http://videos.sapo.pt/LKFFgtLotkDcAzvzgnJQ

Tozé disse...

belo exemplo onde o dinheiro é bem gasto porque pelo que já vi este monumento por atrair muitos turistas só tenha pena que não esteja em santiago, mas mais pena tenho que santiago não faça mais pelo nossos monumentos nem sequer divulga-los como deve ser

santiaguense de gema disse...

Sr presidente Vitor Proença:

- Onde é que está o projecto "Do Castelo Novo ao Castelo Velho"?

- Onde é que está o projecto de revitalização do centro histórico de Santiago ?

- Onde é que está o projecto de tirar o cemitério do nosso castelo ?

NV disse...

Gostava de ver aqui "postagens" sobre:
-Centro de recursos para a cultura(Santiago do Cacém)
Notícias do Litoral, 12/03/08, pág.10
-o tão falado Centro Cultural (Santo André)
http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=10013
- A escola de artes em Sines
http://www.sines.pt/PT/Viver/cultura/eas/Paginas/default.aspx

Penso que sejam temas interessantes para este blogue e para o desenvolvimento desta região.

Anónimo disse...

Sim, não à dúvida que temos que pensar em termos de região!
Alcácer está de parabens pelo equipamento cultural, museológico e de valorização do seu património cultural. Para terem uma ideia da inauguração e da dimensão do novo espaço aconselho visitarem o blog al qasr abu danis. Temos pois de valorizar cada realidade concelhia no que tem de melhor! Praias para quem as tem, natureza para outras e património para quem sabe valorizar aquilo que tem. Alcácer foi cidade romana como Santiago, em periodo muçulmano a sede politica estava sediada em Alcácer. Santiago nessa época continua a ser uma incognita! A história vive de provas, não basta supor que terá sido um castelo islâmico, é necessário prova-lo, mas para isso tem que retirar o cemitério de dentro do castelo. Acredito que pode haver novidades arqueológicas em Santiago, ou então estão condenados a ver passar o tempo com problemáticas do seculo XIX ainda por resolver.

Anónimo disse...

Em relação aos arqueólogos e tendo em conta o riquissímo património existente, apetece dizer que existem ovos, mas não existe vontade politica para que se façam as omeletes (e o povo morre à fome de cultura!). Que eu saiba, em termos de Litoral Alentejano, só a Câmara de Alcácer é que tem 2arqueólogos nos seus quadros (que são poucos para o trabalho que deverão ter) e os resultados começam a serem visíveis (Alcácer, Villa Romana de Santa Catarina, com a melhor piscina romana existente em Portugal, etc). Grândola já teve arqueóloga que passou para Alcácer e seria urgente que contratasem alguem de novo, porque ao contrário do "senso comum", Grândola tem mais património que as canções de protesto e ligação ao 25 de Abril! (que tambem são importantes para a memória colectiva recente de Portugal).
Se Grândola insistir só no cimento e nas práias, os turistas que querem investir em cultura irão preferir Alcácer ou Santigo!? Em relação aos restantes concelhos do litoral alentejano, só se tem preveligiado a praia, mas não se esqueçam que ela começa no Minho e termina em Vila Real de Santo António e se não tiverem museus e espaços arqueológicos, os turistas ficarão cá pouco tempo (problemas do cancro da pele, sobrelotação das praias no verão, tédio ao fim do dia mergulhados em cerveja e ver a "paisagem humana" a desfilar na praia ou nas explanadas. O turistas estão cada vez mais exigentes e existem mais de 7 000 anos de património neste paraiso.

Cesar disse...

Lamento muito que a câmara municipal de santiago não tenha projectos na área da arqueologia porque pelo que tenho lido a riqueza do concelho é imensa e podia ser explorada como alcacer do sal, mértola e outros concelhos têm feito. Bastava emagrecer o quadro de pessoal nalguns casos onde é duvidosa a necessidade de algumas pessoas e meter uma equipa de arqueólogos a trabalhar em algo que podia um dia, quem sabe, dar um projecto como esta cripta de alcácer do sal e outros mais.

Anónimo disse...

Caro santiaguense de gema espere até vir o ano que vem que vai ouvir falar desses projectos novamente quando começar a campanha eleitoral. Já não falta muito para começar a sair as listas das promessas

Sal@tia disse...

Um anónimo disse: "Alcácer está muito mais evoluído do que Santiago no que respeita à valorização dos monumentos talvez porque o presidente é arquitecto"

Não é pelo presidente da câmara municipal de Alcácer do Sal ser arquitecto que se pensa na valorização do património. Aliás nem é a "pasta" dele. Ao contrário do que acontece nos restantes municípios do litoral alentejano, Alcácer do Sal, não será alvo de muitos projectos turísticos. Então esta cidade tem que se afirmar perante os outros e terá que cativar os turistas a vir a Alcácer. Se Alcácer não tem praias terá que chamar os turistas através do património cultural. O executivo municipal tem um projecto que é transformar Alcácer do Sal na jóia cultural do Litoral Alentejano. Para tal tem que se pensar na conservação do património. Tudo o que temos em Alcácer devesse a um Homem, Dr. João Faria, vereador da cultura e antigo Arqueólogo do Município, falecido em 2006. A ele sim deve-se agradecer por tudo o que fez pela preservação do património. Era um desejo dele ver a cripta aberta. A salvaguarda do património passa por todo um esforço de uma equipa fantástica. Arqueólogos permanentes, estudando e acompanhando os trabalhos, no seu total 4, técnicos devidamente formados, cerca de 5 elementos, bem como a ajuda de voluntários e da associação de defesa de património de Alcácer do Sal.
A salvaguarda dos edifícios não vem só de agora, é preciso primeiro estudar e depois sim é que se avança com a recuperação. A recuperação destes tipos de espaço avançou agora mais devido a entrada de um executivo novo. Para verem, conhecia-se da existência da Villa Romana de Santa Catarina de Sítimos desde 1986, só em 2006 é que se avançou para escavação. Foram 20 anos de interregno devido ao executivo anterior.

Anónimo disse...

Olhando à nossa volta, Santiago já é o concelho onde menos se investe na valorização de património, incluindo o arqueológico, e na cultura. Isto para não falar nos centros históricos que estão como sabemos. Este executivo governa para o seu eleitorado, que é maioritáriamente de baixa escolaridade e que o que lhe interessa sobretudo são o estado das ruas à porta de casa. São esses que lhes garantem as reeleições.

de cá disse...

Uma pergunta...
Dos elencos governativos das autarquias (presidentes e veradores), dos putativos candidatos ou candidadtos a candidatos...quantos são de cá?
Quantos sentem esta zona como fosse deles...de aqui nascerem e aqui quererem morrer, que tenham memórias de juventude, do seu crescimento...da sua vida?
Pode ser um ponto de reflexão...

santiaguense de gema disse...

É lamentável que não haja da parte da câmara de Santiago interesse em seguir o exemplo de Mértola, que tem sabido inteligentemente aproveitar o seu património e até criar emprego e riqueza através dele num concelho sem outros atractivos turisticos como é Mértola. É lamentável que só façam obras de fachada no nosso centro histórico. É lamentável que após tantos anos de promessas o castelo ainda tenha o cemitério no seu interior. É lamentável que as ruínas de Miróbriga não tenham mais carinho e atenção da câmara porque são a menina dos nossos olhos quando falamos de património. Falando de património é lamentável ter uma câmara tão desinteressada perante tanta riqueza e diversidade de património que existe no concelho de Santiago Cacém a que parece nem saber o que fazer tal é a qualidade, ou falta dela, que temos neste executivo CDU que não se interessa quase nada pelas nossas mais-valias no património.
Talvez seja por a maior parte destes autarcas não serem originários de cá que eles parecem só preocupados com o lugar e não ligam patavina às nossa heranças, dos que cá nasceram, vivem e trabalham. Porque isso custa-nos mais a nós, que somos naturais do que a eles.

Marina disse...

Lá por a maior parte dos autarcas do litoral alentejano não serem de cá isso não é desculpa nenhuma desde que fossem mais atenciosos para as nossas coisas do passado, e penso que de todos eles o que está mais mal visto é os de santiago porque nos outros concelhos estão-se a fazer bastantes coisas interessantes. Olhem em sines o castelo está em obras, o forte do porto covo também foi arranjado, e agora vão arranjar a praça principal do porto covo. Só mesmo santiago é que é o pior.

alentejano do litoral disse...

Caros amigos e amigas, não é por acaso que no site da câmara ainda consta um anuncio à exposição do dr falcão que aconteceu há vários meses. É a única realização importante que estes senhores da câmara têm para se orgulhar porque o resto que se fez no nossos monumentos é quase zero em três anos fora os outros mandatos de antes deste. Isto em Santiago, porque se forem às nossas freguesias do concelho ainda é pior.
Tirem as palas dos olhos meus amigos, que esta câmara não dá mais que isto e não tem estratégia nenhuma para o património nem qualquer plano de desenvolvimento cultural.

SANTIAGUENSE disse...

AI SANTIAGO, SANTIAGO...TU QUE TENS TANTO QUE PODIA MELHOR SER APROVEITADO MAS ESTÁS NAS MÃOS ERRADAS E DE QUEM NÃO SABE O QUE FAZER COM AS TUAS RIQUEZAS. PERDOA-LHES QUE ELES NÃO TÊM CULPA DE TER NASCIDO ASSIM TÃO CURTOS DE IDEIAS

Anónimo disse...

O importante património existente em todo o Litoral Alentejano tem que ser entendido e dinamizado à escala regional e não concelho a concelho. É preciso implementar estratégias e partilhar projectos comuns, porque só assim seria possível rentabilizar todo o manancial no que diz respeito ao património, que é vasto e diversificado. Mas para isso os concelhos têm que colocar de lados as suas diferenças ideológicas, partidárias, etc, e centrarem-se no que verdadeiramente interessa à região nesta matéria. Estou até em crer que com boa vontade podia ser criada uma estrutura importante que incluisse arquitectos, arqueólogos, universidades, etc, para um grande projecto de inventário e salvaguarda do património do Litoral Alentejano comparticipado por todos os concelhos da sub-região. Seria bom para todos.

Anónimo disse...

Achei mais um blogzito dos poucos que falam da nossa regiao. http://osantiaguense.blogs.sapo.pt . Era bom que todas estas pessoas cheias de ideias que andam aqui pela internet começassem a intervir na politica local para quem sabe haver projectos interessantes para o bem estar da população.

Calimero disse...

Faço minhas as palavras do anónimo das 12.44 mas apenas para a divulgação porque cada concelho devia ter uma politica própria na cultura, nos monumentos a precisarem de ser arranjados etc.

Anónimo disse...

dr. Falcão para vereador da cultura em Santiago...URGENTEMENTE!
Para mim era a melhor opção

F disse...

Já fui ver a cripta, está muito, muito interessante. Parabéns Alcácer, pelo amor que têm ao vosso passado e pelo respeito às coisas dos nossos povos antigos porque é assim que vamos evoluindo

Silva disse...

Não deixa de ser um bocado esquisito quem em Santiago não haja uma equipa de arqueologos na câmara e que nenhum programa eleitoral dos vários partidos tenha alguma vez prometido isso porque em Santiago deve haver ainda muito por descobrir dada a sua antiguidade.

Anónimo disse...

Mas que mania com as pedras e a arqueologia... atão agora nao se fala mais nada senão em museus e pedras criptas e castelos..? a gente está lá interessada nisso... façam monumentos com música ou mais concertos ao menos qual visão estratégica qual problemática qual mais valia... a gente precisa é de animação nao é de pedregulhos e ficar a olhar pra eles!

Anónimo disse...

Como é que é possivel haver ainda tanta ignorancia quando toda a gente vê o que se está a fazer em Alcácer, Mértola, só para dar dois exemplos, já para não falar da exposição No Caminho sob as Estrelas que trouxe aqui a santiago milhares de turistas. Há ainda muita gente burra que não consegue ver que o património pode ser um factor de desenvolvimento e criação de riqueza para uma região se for devidamente rentabilizado.