5.04.2007

Um artigo da imprensa regional

Foi-nos enviado um artigo, já publicado na imprensa regional ( no NOTÍCIAS DO LITORAL), que tem alguma relação com os recentes posts que foram aqui colocados.
Ao seu autor, Arq. Francisco Lobo de Vasconcellos, agradecemos o envio e a possibilidade de enriquecer este debate e ao NOTÍCIAS DO LITORAL curvamo-nos pelo vosso papel de meio de comunicação regional, um papel sempre complicado e muitas vezes semo retorno desejado, esperando que continuem a publicar os vossos interessantes artigos e opiniões.
"Com o aproximar do Verão voltam a surgir na imprensa artigos sobre aquilo que será o tema mais importante relacionado com o Litoral Alentejano…a crescente pressão urbanístico/turística na costa alentejana.
Com cerca de 200 km de costa repartidos por quatro concelhos, mas que na realidade são cinco, porque o Concelho de Alcácer do Sal é também parte integrante desta realidade geográfica e social, o Litoral Alentejano está a converter-se no pedaço mais apetecível do território português para os grandes investimentos imobiliários ligados ao turismo.
E sobre esta assunto não haveria muito a dizer se vivêssemos num país conhecido pelo seu bom planeamento, pela sua clara estratégia de desenvolvimento, pelas transparentes relações entre os interesses imobiliários e os interesses políticos e pelo conhecimento das “agendas pessoais” dos intervenientes nos processos decisórios.
No entanto tal não acontece e a historia tem-nos demonstrado que devemos ter algumas dúvidas e muita apreensão acerca do apregoado desenvolvimento da Costa Alentejana.
Um dos aspectos que deveria merecer a maior reflexão será a diferença na abordagem ao planeamento e ao ordenamento do território nos cinco concelhos e as suas consequências.
Senão vejamos, para o Concelho de Grândola, estão previstos 4 PIN’s, com vários milhões de euros de investimento, a presumível criação de vários postos de trabalho e que irão gerar mais de 30 mil (!) camas turísticas.
Será interessante reflectir e comparar com o Concelho de Odemira, todo ele com a sua faixa litoral integrada no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina ou com os concelhos de Santiago do Cacém ou Sines…já para não falar nas diferenças entre litoral e interior.
À primeira vista ficamos com a impressão que um território com uma identidade única, forte, consistente, irá ficar fortemente assimétrico, com uma irregular distribuição de riqueza e de oportunidades, centrado em apenas um factor de desenvolvimento, e que a breve trecho perderá as características particulares que fazem dele um local de excepção.
Acho que esta breve consideração, e que será a primeira de muitas sobre este tema, permite concluir que nunca foi feito um debate, uma reflexão, uma discussão alargada, como um todo, nunca se pensou globalmente e estrategicamente sobre o Litoral Alentejano, de Tróia a Odeceixe, do interior ao mar, sobre Turismo e Agricultura, Industria e Património, sobre as aspectos sociais, históricos, sobre o planeamento e ordenamento do território…destes mais de 550 mil hectares de território que devemos preservar e deixar para as gerações futuras."

2 comentários:

Ponto Verde disse...

Comparar os aeroportos de Madrid, Barcelona e ...Lisboa

em

www.a-sul.blogspot.com

Alentejo_SW disse...

Sim..obrigado.
Um obrigado aqui do deserto....